Open de Pombal marca o regresso do Circuito Nacional de xadrez

0
541

O Expocentro foi palco do XII Open Internacional Marquês de Pombal, de 1 a 5 de Outubro. Mais de 100 xadrezistas participaram num evento que marcou o regresso do Circuito Nacional e onde cerca de 70 por cento dos jogadores pertenciam aos escalões jovens, muitos deles promessas do xadrez nacional.
O jovem mestre FIDE José Francisco Veiga, da A.XAT Montemor-o-Novo, foi o vencedor da prova, tendo terminado em igualdade pontual (6,5) com o Mestre Internacional (MI) Paulo Dias, mas com vantagem no desempate. Guilherme Deola Borges, do Grupo Desportivo Dias Ferreira, com 5,5 pontos, fechou o pódio.

Paulo Dias (MI) e Francisco Veiga, vencedor do Open

No âmbito do distrito, destaque ainda para o jovem Lucas Gonçalves (sub.16), do Ginásio do Louriçal, que alcançou a 11ª posição (cinco pontos em sete) em igualdade pontual com o sexto classificado. Já da Oficina Criativa, esteve em evidência Mário Rui Correia (4,5 pontos em sete), que conquistou a 17ª posição.
Além das partidas e da competição, no âmbito do lema “Conhecer Pombal à boleia de um xeque-mate”, o evento contou ainda com a tertúlia “Histórias Miraculosas” com os oradores António Fróis (MI), Carlos Oliveira Dias (árbitro internacional) e a convidada Jussara Chaves (WIM). Entre as diversas histórias partilhadas com o público, o árbitro internacional leiriense Carlos Oliveira Dias apresentou o seu livro “Recortes de Memória”, contendo recortes jornalísticos do distrito de Leiria, relativos à modalidade. De destacar a exposição de pintura da pombalense Lurdes Serrano, que esteve patente ao público, tornando-se num dos pontos altos do evento. Além do ambiente desportivo e lúdico, esteve ainda à disposição dos jovens e interessados, uma banca de livros dedicados exclusivamente ao xadrez, da responsabilidade da Editora Solis.

Subiram ao pódio Francisco Veiga, Paulo Dias e Guilherme Borges

No final, a direcção da Oficina Criativa, presidida por Jorge Barrento, traça um balanço de “sucesso”, resultado sobretudo do conceito do evento, assim como a mudança do local, para o Expocentro, “muito bem acolhida pelos jogadores e pelo público”. Atendendo às boas acessibilidades, localização geográfica de Pombal e às condições das infra-estruturas, o mesmo dirigente aproveitou ainda a ocasião para desafiar os pais, participantes e clubes a ajudarem a transformar o evento numa referência a nível nacional e internacional no circuito escaquístico.