HIC ET NUNC | Incompetência

0
1568

A primeira vez que escrevi um artigo de opinião com cariz político foi para o Pombal Jornal, edição de 16/08/2019. Sob o título “A Escolinha da Aldeia”, aludia à valorização da escola da aldeia em detrimento da escola citadina e urbana, bem como à minha decisão de deixar a cidade de Lisboa e regressar à Aldeia dos meus antepassados. Foi pelas escolas que vim e infelizmente foi com as escolas e com aqueles que as gerem que me desiludi e iniciei a participação ativa na política.
Em Vila Cã existia uma oferta de estabelecimentos escolares apelativa para as famílias, Creche com vagas, Jardim de Infância com espaço de recreio exterior ímpar e Escola Básica que a meu ver precisava de reabilitação. Soube afinal que havia a intenção de se construir um Centro Escolar e que em 2011 já havia sido adquirido pela Junta de Freguesia, liderada pelo PSD, um terreno num investimento de 40.000€; terreno este que permanece indiviso! A reabilitação foi assim tardando, a degradação agravando e o descontentamento sobretudo dos alunos em 2017, ano em que percebi o real problema e me indignei com a passividade dos encarregados de educação e com a incompetência dos políticos.
Sob o lema de que se pretendia igualar a oferta escolar no concelho e por uma questão de justiça entre as freguesias, construíram-se centros escolares, encerrando-se escolas básicas e jardins de infância. O Centro Escolar de Vila Cã, num investimento exclusivamente municipal, foi orçamentado em 1.370.000€ + IVA. Uma obra com custos avultados e sem perspetiva de financiamento, envolta em polémica. Felizmente, o litígio sobre a titularidade do terreno onde era para ser construído o polidesportivo acabou no passado dia 29. O CDS-PP foi o primeiro Partido Político a pedir esclarecimentos e a sensibilizar a Junta de Freguesia e a Câmara Municipal; consultámos o processo da obra, fomos várias vezes ao local e escutámos o testemunho de vários moradores. Defendemos os interesses dos cidadãos, tomando partido, correndo o risco de não se confirmar que afinal tínhamos razão. O CDS-PP pauta-se por Princípios, que defendem acima de tudo o superior interesse das pessoas. E estas pessoas foram vítimas de políticos incompetentes; não só viram o seu património ameaçado, como foram afetados psicologicamente e a sua integridade física posta em causa. Mas o Município reconheceu a titularidade do terreno ao cidadão que a reclamava; a fotografia aérea de 2015, que surge como um elemento crucial na decisão, já faria parte do processo… porquê a dificuldade para se verificar o que era tão óbvio? Porquê iniciar-se uma obra sem primeiro se esclarecer? Sem dúvida que, com o anterior Executivo, a situação iria arrastar-se ainda mais…
Acresce que a Câmara já tem em vista um terreno contíguo ao Centro Escolar para construir o polidesportivo e vai iniciar diligências para a aquisição. Outro terreno? Quando há um terreno adquirido desde 2011 junto à antiga Escola Básica… Quando já há um polidesportivo em Vila Cã, numa envolvente subvalorizada e a precisar de manutenção junto ao antigo Jardim de Infância e que pode servir a comunidade para além da educativa!
Termino recomendando a leitura do Plano Estratégico Educativo Municipal 2021-2025, aprovado na última Assembleia Municipal antes das mais recentes eleições. Os seguintes pontos fracos assinalados no documento merecem reflexão profunda: “existência de infraestruturas educativas sem espaços verdes e poucas atividades ao ar livre e de contato com a natureza; persistência de assimetrias significativas entre as diferentes freguesias” …
Quiçá, não se tratará apenas de incompetência… Provavelmente também de irresponsabilidade e impunidade, dinheiro público mal gasto!

Liliana Silva
Presidente da Comissão Política Concelhia do CDS-PP de Pombal

*Artigo de opinião publicado na edição impressa de 16 de Dezembro