Delegada de saúde pede paciência porque profissionais estão “sem mãos a medir”

0
856

A delegada de saúde de Ansião alertou que os profissionais de saúde estão “sem mãos a medir” face ao “muito elevado número de casos de covid-19” no concelho e pediu paciência aos utentes.
“Atendendo ao muito elevado número de casos de covid-19 com que estamos confrontados e à previsão de persistência desta situação nas próximas semanas, sendo os limitados meios de resposta que tínhamos os mesmos de que dispomos, apelo à sua paciência para com a Unidade de Saúde Pública de Ansião e do Pinhal Interior Norte, e também com os profissionais de saúde das outras unidades do Centro de Saúde de Ansião, sem mãos a medir, já antes assoberbados de trabalho”, referiu, em comunicado dirigido aos utentes.
O documento, assinado pela delegada de saúde de Ansião, Natércia Veloso, pediu às pessoas que fiquem em casa se tiverem testado positivo ao novo coronavírus ou se forem contacto de risco, devendo ligar para a Linha SNS 24.
“Embora seja grande a evidência da menor gravidade da covid-19 na variante do vírus SARS-CoV-2 que está em circulação para quem está vacinado, a resposta à pandemia tem de ser a de dar prioridade à detecção de casos graves de covid-19, sem podermos descurar os casos graves de outras doenças”, adiantou no comunicado, divulgado pela Câmara de Ansião no seu sítio na Internet e na rede social Facebook.
Natércia Veloso explicou que situações como a falta de ar, dispneia, hipoxemia ou cefaleias, febre, prostração e diarreia, que não cedem à medicação, terão de ser avaliadas, “especialmente nas pessoas susceptíveis ou idosas e nos não vacinados”.
A delegada de saúde pediu para que se “ligue para a Linha SNS24 (808242424)” ou para o médico de família/centro de saúde “e para o 112, nas situações de urgência”.
“A nossa prioridade terá que ser dada à comunicação e avaliação dos casos de covid-19 (sendo só para esta tarefa os meios muito exíguos)”, destacou, explicando que “os contactos de caso serão abordados quando e assim que possível”.
Segundo Natércia Veloso, os funcionários de estruturas residenciais para pessoas idosas ou outras instituições “não devem deixar de alertar para essa condição”.
No comunicado, no qual consta ainda informação sobre a baixa médica e isolamento profiláctico devido à doença, são também divulgados os endereços electrónicos dos serviços de saúde do concelho e a informação que os utentes devem remeter, com a delegada de saúde a renovar o apelo: “E espere com paciência, por favor”.

Lusa