Ansião: Hospital de Avelar telemonitoriza saúde de 500 doentes crónicos da região Centro

0
1092

O Hospital de Avelar, no concelho de Ansião, está a acompanhar remotamente cerca de 500 idosos com patologias crónicas, residentes em seis concelhos da região Centro. Este acompanhamento é feito no âmbito do projecto piloto de telemonitorização “S@úde+Perto”, que visa reduzir as idas às urgências e os internamentos hospitalares.

Através do projecto “S@úde+Perto”, que arrancou em Junho de 2022, o Hospital de Avelar está a telemonitorizar 500 doentes crónicos idosos, através de dispositivos de telessaúde que usam a rede 5G da NOS.

Estes dispositivos estão ligados a uma plataforma que recolhe e processa para análise vários sinais biomédicos, como o oxigénio, glicose do sangue, peso, temperatura ou tensão. Quando há algum valor que fuja de um intervalo previamente definido como normal, o dispositivo emite um alerta monitorizado por um profissional de saúde, que avalia a situação do doente através de uma chamada ou videoconsulta, reencaminhando-o para o Hospital de Avelar ou propondo outro modo de actuação.

Este projecto piloto tem um “período inicial de avaliação de 15 meses”, ao longo do qual “acompanha remota e permanentemente os sinais dos utentes”, prevendo “situações de agravamento agudo de doença”, com o intuito de “agir de forma imediata” para “reduzir episódios de urgências e internamentos hospitalares”, refere uma nota da NOS.

As “cobaias” deste projecto são “idosos com patologias crónicas, como insuficiência cardíaca, doenças pulmonares, diabetes, hipertensão ou doentes multicrónicos, residentes em concelhos mais rurais e de baixa densidade populacional, cujo índice de envelhecimento se encontra muito acima do índice de envelhecimento nacional”, nomeadamente Ansião, Alvaiázere, Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos, Pedrogão Grande e Penela, refere a mesma nota, adiantando que estes doentes são seguidos no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e no Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Interior Norte (ACeSPIN).

“A monitorização à distância dos pacientes crónicos através de dispositivos electrónicos permite um melhor acompanhamento do doente e libertar os profissionais de saúde para seguir mais doentes de forma mais efectiva, reduzindo as idas às urgências e os internamentos hospitalares”, realça Luís Fareleiro, membro do conselho de administração da Fundação Nossa Senhora da Guia, proprietária do Hospital de Avelar.

Afinal, o projecto tem “benefícios efectivos para os doentes”, uma vez que “evita (…) consultas de urgência ou internamentos no hospital”, que “acarretam riscos de saúde por possíveis contaminações em contexto hospitalar”, frisa a nota da NOS.

“Este sistema tem ainda vantagens para o Serviço Nacional de Saúde”, devido à “redução dos custos” relacionados com o “transporte de doentes, internamentos e consultas desnecessárias”.

Por outro lado, “os médicos que acompanham estes doentes passam a dispor de mais informação, melhorando eventuais diagnósticos e avaliações de terapias”.

Efectivamente, “a saúde é uma das áreas estruturantes da sociedade que mais pode beneficiar com a introdução do 5G, enquanto impulsionador da inovação nos tratamentos e na aproximação e humanização dos cuidados de saúde”, sublinha o administrador da NOS, Manuel Ramalho Eanes, certo de que projectos como este, de telemedicina, contribuem para “mais e melhores cuidados de saúde, melhor informação e mais eficiência”, uma vez que garantem a “prevenção e tratamento das pessoas de uma forma contínua e não episódica”.

Por sua vez, a autarquia de Ansião assegura que tem “capacidade de liderar este tipo de projectos inovadores e condições logísticas para os acolher”. Por esse motivo, “desde a primeira hora”, o executivo camarário “apoiou e mobilizou os concelhos limítrofes a participar no projecto”.

De referir que o projecto piloto de telemonitorização “S@úde+Perto” é promovido pela Fundação de Nossa Senhora da Guia, através do Hospital de Avelar, em parceria com a NOS e a HopeCare, sendo apoiado pelo Portugal 2020 e pelo Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, através das Parcerias para o Impacto do Portugal Inovação Social. Os resultados do projecto foram apresentados esta quinta-feira (23 de Fevereiro) na conferência “S@úde+Perto”, que decorreu no Centro de Negócios de Ansião.