(N)A ESCOLA DA VIDA | (Re)inícios

0
1181

Setembro – o mês das folhas amarelecidas e em que se sentem os dias a encolher ao sabor do chamamento das brisas outonais – marca não apenas (para muitos) o final do tempo sem relógio no pulso nem cronómetros asfixiantes, dos petiscos e do pôr-do-sol testemunhado à beira-mar (ou contemplado do cimo de uma serra), da roupa leve e fresca, das conchas, dos ouriços e das estrelas-do-mar. Setembro marca, também, o regresso à escola – àqueles edifícios delimitados por muros e paredes; apesar de, por aqui, se defender que a vida é das melhores escolas e que tanto (ou mais) se aprende em contextos informais e não-formais, desenraizados desses muros e dessas paredes e deles geneticamente afastados.

E nesta fase de uma transição que se repete ciclicamente é também altura de recordar um dos filmes mais emblemáticos – um daqueles que, de forma incansável, a memória se encarrega de evocar e trazer para o “agora”, ainda que transformado em simples excertos e imagens soltas (como as folhas amarelecidas, mas sempre prenúncio daquela que será, breve, a esperança primaveril): “O Clube dos Poetas Mortos”. Mais do que apenas “passar o tempo”, este é um dos (muitos) filmes que tem o poder de inspirar, por ser um ícone verdadeiramente inquestionável. Na realidade, algumas produções nacionais e internacionais levam-nos facilmente para caminhos que tendem a questionar o modelo tradicional de ensino e convidam-nos a uma reflexão sobre o papel do professor e do aluno.

Hoje é dia de preparar uma taça de pipocas… e recordar o momento em que John Keating chega a uma escola sobejamente conhecida pelo seu rigor e pelos seus valores que se traduzem em quatro pilares fundamentais: a tradição, a honra, a disciplina e a excelência. No entanto, é também este professor que recorre a métodos pouco ortodoxos para se aproximar dos seus alunos. E, de facto, será com a sua ajuda que alguns aprendem a não abdicar dos seus sonhos e a aproveitar cada dia, em consonância com o famoso “Carpe Diem” – um pouco à semelhança do que Ricardo Reis defendia quando nos aconselhava “colhe o dia, porque és ele”, através da sua poesia revestida de harmonia, de prazer, de serenidade e de equilíbrio, deixando-se influenciar pelos ideais filosóficos do epicurismo e do estoicismo.

Hoje é ainda dia de relembrar o momento em que aquele professor lançou aos seus alunos o desafio de rasgar as primeiras páginas de um manual (porque embora os livros sejam peças essenciais, muito do que se aprende não está escrito neles) ou quando os convidou a subir à sua mesa para contemplar o espaço de sempre de uma perspetiva diferente (porque quando se “lê” é importante não considerar apenas o que quem escreveu pensa sobre o tema, mas, sobretudo, o que cada um de nós pensa).

Que todos os alunos (no fundo, cada um de nós – que também o somos ao longo, e em todos os espaços, da nossa vida) tenham capacidade para “subir à mesa” e contemplar a vida de outros prismas (tão válidos como os considerados tradicionais) e que alimentem, dia após dia, o genuíno “Carpe Diem” através da capacidade para aprender e, sobretudo, para aprender a aprender. Como uma sede incessante. Continuamente.

Partilhar
Artigo anteriorAcidente com tractor mata homem nos Motes
Próximo artigoHAPPY HOUR | Adoro programas eleitorais!
Embora os documentos legais a identifiquem como natural de Pombal, foi em Coimbra que respirou autonomamente pela primeira vez. Assim, desde o penúltimo dia de dezembro de 1982 assumiu um compromisso com a vida: aprender a ser. Quase duas décadas depois regressou à cidade do Fado e do Mondego para dar continuidade à sua formação académica na área de Ciências da Educação. Aprofundaria aqui o significado de outro pilar: aprender a conhecer. Começou a aprender a fazer em 2007, quando a socialização profissional lhe abriu as portas no ramo da Educação e Formação de Adultos, no qual tem trabalhado e realizado investigação. Gosta de “sair por aí” e observar e fotografar todas as esquinas. Reserva ainda tempo para a escrita, sentindo-a como um elixir lhe permite (re)descobrir uma energia anímica e uma força motriz nos cantos mais inóspitos aos quais muitos olhares não associariam qualquer pulsar. É, neste campo, autora de obras literárias individuais e de vários textos e poemas publicados em coletâneas. E é assim que lê, sente e inala o mundo, num permanente aprender a viver com os outros.