Vistoria técnica exige obras em antigo colégio

0
692

A comissão de vistorias da Câmara de Pombal concedeu um prazo seis meses ao proprietário do antigo edifício do Colégio Externato Marquês de Pombal para realizar obras de conservação e reabilitação, que garantam as condições de segurança, salubridade e estética.

A decisão, aprovada pelo executivo camarário, surge depois de uma visita dos técnicos municipais e de uma representante da Unidade de Saúde Pública, para verificação do cumprimento das condições determinadas no auto de uma outra vistoria efectuada em Abril de 2017.
Os técnicos verificaram que não foi dado cumprimento a quaisquer obras de conservação e que o edifício, localizado próximo do Jardim da Várzea e parcialmente ocupado, “mantém-se em avançado estado de degradação”, designadamente “fissuração e deformação estrutural, grave deterioração da cobertura, dos pavimentos, das paredes, dos tectos e dos revestimentos interiores”.
A comissão entende que “deve ser novamente determinada a execução das obras de conservação e reabilitação, que garantam as condições de segurança, salubridade e estética do edificado”, concedendo um novo prazo de 180 dias.
Por outro lado, a mesma comissão de vistorias propõe que o proprietário de um imóvel localizado em Matas, freguesia do Louriçal, proceda à demolição total do mesmo, uma vez que o mesmo se encontra devoluto e em mau estado de conservação.
A mesma proposta foi aprovada, igualmente, relativamente a um outro imóvel de dois pisos “em estado de abandono e com elevada degradação” localizado em Silveirinha Grande, freguesia do Carriço.
Entre outros aspectos, os técnicos verificaram que “as fachadas apresentam sinais de degradação, com desagregação e destacamento do revestimento, rebocos e pinturas, manchas de humidade e sujidade generalizada”.

Notícia publicada na Edição de 14 de Fevereiro

Partilhar
Artigo anteriorRENDALÍSSIMA | Tendências Homem – o que vão querer usar na próxima estação
Próximo artigoParque empresarial do Camporês vai ser ampliado
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.