PS votou contra cabaz para recém-nascidos

0
1710

Os vereadores socialistas votaram contra a proposta do PSD que tem vindo a ser colocada em prática desde o início do ano, no âmbito da gestão de recursos humanos. Trata-se da atribuição de um cabaz com o valor de 250 euros aos funcionários do município cujos filhos nasçam ao longo de 2014.

Na reunião de Câmara do passado dia 17 de Outubro, foi apresentada a proposta social-democrata que, perante a apresentação de documentos comprovativos da despesa em artigos de puericultura, alimentação ou higiene, visa a atribuição de um cabaz de recém-nascido.

Os vereadores da oposição votaram contra a proposta da maioria PSD e Adelino Mendes afirmou que “não é pela despesa que significa que esta medida é atacável”, sublinhando que “o que está em causa é o tipo de despesa que estamos a fazer enquanto entidade pública”, recorrendo “aos impostos que são pagos pelos munícipes”. Na sua opinião, “os funcionários da autarquia estão a ser positivamente discriminados face aos outros cidadãos que durante o ano de 2014 também tiveram filhos”, pelo que este cabaz poderá “chocar com o princípio da equidade”. O vereador socialista afirmou ainda que “deve haver alguma moderação neste género de benefícios”.

Marlene Matias recordou ainda a reacção de Diogo Mateus enquanto vereador, no anterior mandato, a uma proposta de incentivo à natalidade apresentada pelo PS, que foi chumbada: “Disse na altura que quem faz um filho, fá-lo por gosto. E os funcionários da Câmara, não o fazem por gosto?”.

Também Jorge Claro se manifestou contra a medida: “Não é com este tipo de coisas que se motiva um trabalhador”, afirmou.

O presidente da autarquia respondeu à oposição referindo que a proposta socialista mencionada por Marlene Matias se enquadrava no incentivo à natalidade, “ao contrário desta, que é meramente uma questão de gestão de recursos humanos e não de acção social”. Diogo Mateus usou como exemplo o cabaz de Natal que se atribui a cada um dos funcionários do município: “Se estamos a falar de equidade, é exactamente a mesma coisa. É uma prática pacífica, com muitos anos”.

Durante o ano de 2014, seis trabalhadores do município poderão beneficiar da medida de motivação