PRÉ(VENIR) DIABETES | “SE NÃO FOR AGORA, QUANDO SERÁ?”

0
1378
Jerusa Gameiro, Flávia Oliveira, Maria Carolina Montês e Pedro Quintas

Caro Cidadão, o Dia Mundial da Diabetes, que se celebra no dia 14 de novembro, tem como objetivo consciencializar as pessoas sobre a doença e divulgar as ferramentas para a prevenção da diabetes (SNS, 2018). Em Portugal, tem-se verificado um aumento da incidência da diabetes, afetando 1 em cada 7 pessoas entre os 20 e os 79 anos, além de que 1 em cada 3 já apresenta pré-diabetes.

Mas afinal, o que é a pré-diabetes?

A pré-diabetes ocorre quando os níveis de glicemia são mais altos que o habitual, porém não são suficientemente elevados para a pessoa ser considerada diabética. De acordo com a Associação Americana de Diabetes, os valores de referência para a pré-diabetes ser diagnosticada são:

  • Em jejum de pelo menos 8 horas, ter valores de glicemia entre 100 e 125 mg/dl;
  • Na prova de tolerância oral à glicose, com a ingestão de 75 gramas de glicose, apresentar valores de glicose no sangue entre 140 e 199 mg/dl;
  • Valores da hemoglobina glicosilada A1c encontrar-se entre os 5.7 e os 6.4%.

Habitualmente, a pré-diabetes não tem sintomas. No entanto, o aumento da sede, urina abundante e frequente, aumento do apetite acompanhado de perda de peso ou cansaço excessivo sugerem que a pessoa com pré-diabetes esteja já a desenvolver a diabetes.

Deste modo, é importante atuar na prevenção da diabetes. A progressão da pré-diabetes para a diabetes pode ser evitada com a adoção de algumas medidas preventivas que diminuem os níveis de glicose no sangue através de mudanças no estilo de vida. Assim, estas passam, sobretudo, por uma alimentação saudável e variada devendo ser rica em fibras (frutas, legumes, cereais integrais) e leguminosas (feijão, grão, fava, ervilha, lentilha) e devendo ser evitados alimentos ricos em açúcar (ex.: bolachas, bolos, chocolates) e alimentos processados, ou seja, que não têm origem da natureza e que foram manipulados através da adição de açúcares, sal, óleos e conservantes. Também é fundamental priorizar e aumentar a ingestão de água comparativamente a outras bebidas menos saudáveis (refrigerantes, entre outros). Para além dessas medidas, deve-se praticar atividade física de forma a evitar longos períodos sentado, realizando caminhadas ou outro tipo de exercício físico que goste. Recomenda-se fazer 30 a 45 minutos de exercício físico de intensidade moderada 3 a 5 vezes por semana.

Alertamos, ainda, para alguns fatores de risco para desenvolver diabetes como o excesso de peso, sedentarismo, colesterol e/ou triglicerídeos elevados, hipertensão arterial, história de diabetes na família e mulheres com síndrome do ovário poliquístico, que tiveram diabetes gestacional ou filhos que nasceram com mais de 4.5 kg.

Para saber o risco de desenvolver diabetes tipo 2, no âmbito do programa “Não à diabetes”, a Área do Cidadão do Portal do SNS tem disponível a calculadora de risco da diabetes. Para o cidadão fazer o seu teste e saber o risco da doença, apresentado em cinco cores – verde, azul, amarelo, laranja e vermelho – basta registar-se na Área do Cidadão e aceder ao item “Plano de Cuidados”. Informação disponível em https://servicos.min-saude.pt/utente/.

Sempre que é identificado risco «moderado», «alto» ou «muito alto» o utente poderá enviar essa informação para a unidade de saúde onde está inscrito. A equipa de saúde familiar poderá fazer o agendamento de uma consulta.

AUTORES

Flávia Oliveira e Maria Carolina Montês, estudantes do 3º ano do Curso de Licenciatura em Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra em Ensino Clínico na Unidade de Cuidados na Comunidade de Pombal (UCC Pombal), sob orientação da Enfermeira Jerusa Gameiro e do Enfermeiro Pedro Quintas

BIBLIOGRAFIA

Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo (2023). Pré-diabetes. Recuperado de https://www.spedm.pt/pt/glandulas-e-doencas-endocrinas/pre-diabetes

Serviço Nacional de Saúde (2018). Dia Mundial da Diabetes. Recuperado de https://www.sns.gov.pt/noticias/2018/11/13/dia-mundial-da-diabetes-4/