Partido da Terra entra na corrida autárquica com Pascoal Oliveira

0
2789
Pascoal Oliveira é o oitavo pombalense a apresentar a sua candidatura à Câmara de Pombal

O MPT – Partido da Terra entra na corrida autárquica de Pombal ao candidatar Pascoal Duarte Oliveira à presidência da Câmara Municipal, nas eleições de 1 de Outubro.
“Queremos ser a voz daqueles que não se identificam com o actual estado de coisas e que acreditam que há alternativa”, afirma o candidato, adiantando que um dos objectivos do MPT passa por “dar a conhecer o partido, as suas ideias e os seus valores”.
Pascoal Oliveira, licenciado em Gestão de Recursos Humanos, refere que o MPT “acenta em dois pilares: o humanismo e a ecologia”. “Como partido humanista defende uma economia ao serviço das pessoas e é isso que pretendemos para Pombal, queremos um concelho de forças vivas, um concelho onde as pessoas gostem de viver onde tenham qualidade de vida e para isso é fundamental termos empregos de qualidade, queremos que as pessoas regressem”, afirma.
Por sua vez, “como partido ecologista acreditamos no desenvolvimento sustentável, na preservação da biodiversidade e no equilíbrio do ecossistema, defendemos o papel do Estado como dinamizador e supervisor destes recursos”.
“Em resumo, queremos fazer diferente com um único propósito: queremos os pombalenses mais felizes”, frisa.
Natural de França, Pascoal Duarte Oliveira, veio com oito anos para Portugal, tendo vivido até aos 20 anos em Santiais, na então freguesia de Santiago de Litém, tendo estudado no Externato Liceal de Albergaria dos Doze e na Escola Secundária de Pombal.
A residir actualmente em Pombal, o candidato tem 46 anos, é divorciado e pai de dois filhos.
Foi sargento no Exército, pintor da construção civil e formador. Desde 2009 é técnico de emprego e inserção profissional no Gabinete de Inserção Profissional de Pombal (GIP), função que acumula com a de formador e consultor de Recursos Humanos.
Pascoal Oliveira é o oitavo pombalense a apresentar a sua candidatura à Câmara de Pombal, juntando-se a Narciso Mota (independente), Jorge Claro (PS), Amílcar Malho (independente), Diogo Mateus (PSD), Fernando Domingues (CDU), Gonçalo Pessa (BE) e Sidónio Santos (CDS-PP).

Partilhar
Artigo anteriorSENTIDOS | Desculpa, King quê?
Próximo artigoETAP, uma escola de referência
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal”, quinzenário com o qual deixou de colaborar no final de Maio de 2020.