“Os eleitores devem saber quem é o candidato e a sua equipa”

0
2192
Economia, coesão social e turismo são prioridades
Jorge Claro acredita que as autárquicas estão mais associadas a pessoas do que a partiidos

Para o candidato do Partido Socialista (PS) à Câmara de Pombal, “nas eleições locais os eleitores devem saber quem é o candidato e a sua equipa”. “Se são pessoas credíveis e reconhecidas, como capazes para desempenhar tão importantes funções”, afirma Jorge Claro.
Daí que afirme que se apresentará ao eleitorado com uma “boa equipa, de pessoas com saber e experiência”. “Se alguns dos candidatos já assumidos, têm no seu passado e presente a experiência do exercício das funções de presidente de Câmara, existem outros saberes e experiências que acumulei ao longo da minha vida profissional que considero uma vantagem extraordinária, no sentido de permitir uma visão mais ampla do que é possível fazer”, frisa.
Para além da sua “experiência” como vereador, Jorge Claro refere que foi funcionário do Ministério da Agricultura e do Ministério da Economia, bem como director da Cooperativa Agrícola de Pombal, da União das Cooperativas, da Cercipom, da Rádio Cardal, e administrador do Mercado Abastecedor de Coimbra. “Experiências pautadas sempre com objectivos bem definidos, gestão rigorosa e com resultados muito positivos, baseados no saber fazer, na capacidade de análise, decisão e de uma boa gestão”, afirma, acrescentando: “Acredito por isso que os pombalenses perceberão que podem depositar em nós a sua confiança.”
O facto de o Partido Socialista estar a governar o país, poderá ter influência nos resultados das Autárquicas de 1 de Outubro? Jorge Claro responde: “O PS, contrariando muitas das expectativas, está a governar o país, ultrapassando muitas adversidades. Existe por isso uma ‘onda’ positiva em torno da actual governação que espero venha a beneficiar a nossa candidatura”.
Porém, o candidato acredita que “os projectos autárquicos estão mais associados a pessoas do que a símbolos partidários”. Por isso, “pese embora a importância dos partidos políticos nas eleições autárquicas, penso que só conseguimentos passar a nossa mensagem se soubermos falar com as pessoas e transmitirmos confiança nessa mensagem”.
Quanto às principais linhas de acção que irão orientar o seu programa eleitoral, o candidato considera que são três os principais “eixos de actuação: a economia, a coesão social e o turismo”.
“Pretendemos combater o desemprego e apoiar aos jovens, fixando-os no nosso território; apoiar os idosos combatendo o isolamento e abandono; investir na criação de condições, para dar resposta à recuperação dos doentes que não possuem condições de regresso às suas casas após alta hospitalar; promover Pombal a nível nacional e internacional para atrair investimento e mais empresas geradoras de riqueza, criando postos de trabalho; e, potenciar os recursos naturais do concelho, através de uma forte aposta no turismo.”
Notícia publicada na edição de 06 de Abril

Partilhar
Artigo anteriorUma loja à medida de mamãs, bebés e crianças
Próximo artigoCulnatur prepara nova excursão aos Passadiços do Paiva
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal”, quinzenário com o qual deixou de colaborar no final de Maio de 2020.