O Jardim do Cardal, em pleno centro da cidade de Pombal, vai sofrer obras de requalificação orçadas em cerca de meio milhão de euros. Na última reunião camarária, o executivo deliberou abrir concurso público para a execução da empreitada, que terá um prazo de execução de 240 dias.
De acordo com o gabinete projectista, a intervenção está integrada “numa estratégia de desenvolvimento urbano da cidade de Pombal” e tem como documento orientador o “masterplan” da zona de interface modal de transportes e áreas envolventes, incluindo a requalificação urbana da Várzea, enquadradas no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da Cidade de Pombal (PEDU).
O mesmo PEDU que prevê a valorização das “características e vivências” daquele jardim, considerado o “cartão de visitas” da cidade, ao colocá-lo “num ponto crucial de fluxos pedonais com a introdução de uma nova paisagem aérea pedonal sobre a linha férrea” que proporcionará a ligação das duas zonas da cidade.
De entre outras intervenções, o projecto pretende recuperar o espaço (percursos, pavimentos e vegetação) “tendo em conta a identidade do lugar e o projecto original, promovendo uma adaptação às necessidades e expectativas actuais, através de uma reinterpretação das intenções e utilização de materiais compatíveis com os existentes”, bem como criar “condições favoráveis à estadia e utilização do espaço para lazer, encontro e contemplação”.
Destaque para a intervenção no espaço central onde serão removidos os “pequenos canteiros e a pavimentação de todo o espaço, criando-se condições privilegiadas para a ocorrência de feiras, concertos e outros eventos”, refere o projectista, adiantando que será, ainda, introduzido “um elemento de água com nebulizadores, inserido na área pavimentada de forma a poder ser circulável, que quando está desligado não é visível, permitindo que seja ligado em dias especiais, ou nos dias de Verão mais quentes”.
“No contorno de todo o espaço central é proposto um alinhamento arbóreo, intercalado com bancos, que reforça a centralidade e a formalidade do espaço”, refere a memória descritiva do projecto, realçando que se tratam de “as novas árvores substituem as actualmente existentes na mesma área, cujo estado fitossanitário e risco de queda justifica o abate”. “Efectivamente tratam-se de árvores muito mal conformadas que contribuem para a imagem degradada do jardim”, frisa.
Pelo contrário, “as árvores que estão nas zonas verdes devem ser mantidas na sua quase totalidade, pelo seu porte e qualidade, e pelo facto de serem elementos emblemáticos do jardim.
O projecto mantém, na sua totalidade, a pérgula existente, “apenas com novo revestimento dos canteiros com espécies floridas, assim como a estrutura de caminho que a rodeia”, bem como outras reestruturações, “criando zonas de estadia em seu redor”.
Por outro lado, a proposta irá reorganizar o estacionamento nas traseiras do edifício da Câmara Municipal, “permitindo uma maior acessibilidade pedonal e valorizando a sua relação com o jardim, mantendo o número de lugares”.
“Em resumo, esta proposta parte das existências e recorre em parte a actuações conservadoras mantendo as linhas gerais do desenho original e recuperando os materiais e mobiliário urbano existentes”, refere o projectista, adiantando que “em pontos específicos optou-se por uma abordagem formal mais inovadora, como seja o eixo central e nas zonas verdes próximo da pérgula, por se considerar haver necessidade de uma melhor distribuição de fluxos pedonais e oferta de espaços de estar”.

Partilhar
Artigo anteriorPraia do Osso da Baleia renova galardão da Bandeira Azul
Próximo artigoGuia vai ter centro escolar de dois milhões de euros
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.