Morreu padre missionário Adelino da Conceição Francisco

0
389

Natural de São Simão de Litém, o padre Adelino da Conceição Francisco, missionário da Consolata, faleceu no passado sábado, no Hospital de Santo André (Leiria), aos 77 anos de idade. As cerimónias fúnebres realizaram-se na tarde desta segunda-feira (4 de Fevereiro), em Fátima.
O religioso nasceu em São Simão de Litém, no concelho de Pombal, a 9 de Novembro de 1941, tendo entrado no Instituto Missionários da Consolata em 16 de Outubro de 1956 e emitiu a primeira profissão religiosa a 2 de Outubro de 1963. Foi ordenado sacerdote em 29 de Março de 1969.
“Missionário da Consolata exemplar e dedicado, o padre Adelino viveu grande parte da sua vida missionária em Moçambique (1974-2013), em situações muito difíceis nos tempos conturbados da revolução e da guerra civil, tendo sido raptado pela Renamo em 1982 na Missão de Muvamba”, assinala uma nota emitida pela congregação religiosa.
“Trabalhou sobretudo na diocese de Inhambane, nas missões de Mapinhane, Muvamba, Massinga, Guiúa e Nova Mambone. Trabalhou também alguns anos na arquidiocese de Maputo, nas paróquias da Machava, Liqueleva e no noviciado dos Missionários da Consolata de Laulane”, adianta.

Partilhar
Artigo anterior“Não queremos aquela passadeira porque sabemos que é um perigo que ali está”
Próximo artigoRENDALÍSSIMA | A cor do ano 2019
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.