Louriçal quer que “Vila Natal” cresça nos próximos anos

0
424

A quadra natalícia está a ser vivida com muita intensidade na freguesia do Louriçal, afinal, este ano o executivo da Junta de Freguesia decidiu elevar as celebrações a outro patamar e criou a “Vila Natal”, um conceito que “esperamos que cresça nos próximos anos”, releva José Manuel Marques, presidente da Junta do Louriçal.

Para este ano, “decidimos inovar com algumas actividades diferentes”, à qual se aliaram as associações da freguesia e a Escola de Música Big School. Uma parceria que o autarca assume como “consolidadora do envolvimento da comunidade em prol de uma causa comum”, enquanto explica que a “Escola de Música está responsável pela criação de grupos que dinamizam as actividades culturais do certame”, nomeadamente com a realização de espectáculos musicais.
O Grupo de Escuteiros locais também foi convidado a participar na “Vila Natal”, com a criação de um presépio, em tamanho real, edificado na Praça Joaquim da Silva Cardoso, e ao lado, no Largo Dom Luís Menezes, foi colocada uma tenda gigante, onde está prevista a realização de outras actividades festivas, como a realização da festa de Passagem de Ano, que vai contar com a actuação do grupo Jovisom. A organização do evento está a cargo da Junta de Freguesia, que “conta com o apoio da Associação Critérios e Tradições na parte da integração”.
Para a realização de todas as actividades, “esperamos gastar um valor muito reduzido, uma vez que contamos com o apoio da comunidade”, sendo que o “orçamento não deve ultrapassar os três mil euros”, adianta o autarca.
Com olhos voltados para o futuro, o edil garante que “em 2020 esperamos que o certame cresça”, em tamanho e em notoriedade, e explica que é nossa intenção “abrir as portas dos monumentos da Vila e criar actividades na zona do Aqueduto do Louriçal”.
Desta forma, e até 12 de Janeiro, estão previstas muitas actividades ao longo dos fins-de-semana, de onde se destaca a realização do Concerto de Ano Novo, nesse mesmo dia, que terá lugar na Igreja do Convento do Louriçal, pela Sociedade Filarmónica Louriçalense, a mesma instituição que viu o concerto de Natal deslocado para o Salão Paroquial, “porque a Fábrica da Igreja não permitiu que o concerto fosse realizado no interior da Igreja Paroquial”, revela José Manuel Marques, que lamenta que “com estes actos e inflexibilidades acabe por afastar as pessoas da religião, em vez de as aproximar, como era expectável”, remata.