Liliana Silva é a nova presidente da Assembleia de Freguesia de Vila Cã

0
543
 A nova presidente acredita que será possível assegurar “o normal funcionamento” daquele órgão

Liliana Adelina Silva, do CDS-PP, foi eleita presidente da Assembleia de Freguesia de Vila Cã, em sessão extraordinária realizada a 26 de Fevereiro, requerida pela presidente da Junta, Ana Tenente, a cumprir o seu segundo mandato como independente pelo grupo de cidadãos Vila Cã à Frente (VCF).
A reunião surgiu depois de, em Dezembro do ano passado, os quatro eleitos pelo PSD, incluindo o presidente da Assembleia (João Antunes Santos) e o segundo secretário (Paulo Neves) terem renunciado ao mandato.
Contudo, apesar de terem sido convocados os quatro membros a seguir na lista candidatada pelo PSD, três comunicaram a sua indisponibilidade em ocupar o lugar, renunciando ao mandato. O quarto elemento não compareceu nem respondeu à convocatória. Uma situação que fez com que a bancada social-democrata tenha ficado deserta.
Para além de substituir os quatro social-democratas que renunciaram ao mandato, os trabalhos tinham como objectivo, igualmente, eleger uma nova mesa de Assembleia de Freguesia.
O que resultou na eleição de Liliana Silva (CDS-PP) como presidente, mantendo-se como primeira secretária Patrícia Lopes (eleita pelo VCF, mas actualmente uma opositora à gestão autárquica liderada por Ana Tenente). Para segundo secretário foi eleito Renato Pedrosa (VCF).
Durante a mesma Assembleia de Freguesia foi substituído, também, o secretário da Junta de Freguesia, Clément Santos (VCF), que renunciou ao cargo há onze meses, e que passou a integrar a Assembleia. Para o cargo foi aprovada Carina Pereira (VCF).
Em declarações ao Pombal Jornal, Liliana Silva considera que a Assembleia entendeu que a sua eleição para presidir à mesa “seria importante para garantir de forma responsável o regular funcionamento” do órgão autárquico.
Questionada sobre a situação de renúncia, em bloco, dos eleitos pelo PSD, a nova presidente da mesa refere que “se trata de uma situação complexa”. “Até ao final da sessão extraordinária, dos quatro convocados da lista do PSD, apenas três renunciaram ao mandato, nos termos previstos no regimento”.
Quanto às expectativas depositadas no novo cargo, Liliana Silva (que é conselheira nacional do CDS-PP) acredita que “será possível assegurar o regular funcionamento da Assembleia, observando a ordem e a disciplina, contribuindo de forma inequívoca para o prestígio dos trabalhos e para a observância da legislação”. “Pretendo continuar a dar voz aos vilacanenses, num contacto directo e próximo com a população, atenta às suas principais preocupações e necessidades mais prementes, por forma a contribuir para o seu bem-estar e para o desenvolvimento local”, vinca.

*Notícia publicada na edição impressa de 05 de Março

Partilhar
Artigo anteriorPolíticos desligados da realidade
Próximo artigoALERTA | Covid-19 infecta homem e isola dezenas de suspeitos no Carriço
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.