Instituto D. João V quer mais turmas e recuperar alunos de Almagreira

0
995

O Instituto D. João V quer recuperar a área de influência da freguesia de Almagreira e aumentar o número de turmas, alegando que atribuição de apenas uma turma para o 2.º e 3.º ciclos será “financeiramente incomportável” e poderá colocar “em risco a manutenção destes anos de início de ciclo”. Esta “preocupação” está patente numa recomendação, aprovada pela Câmara e Assembleia Municipal de Pombal, que será remetida ao Governo.
Na recomendação que pretendem remeter à secretária de Estado da Educação, Inês Ramires, o Instituto D. João V pede “autorização para celebrar novo contrato de associação” com o Ministério da Educação, que permita voltar a “integrar na área geográfica carenciada de ensino público a área respeitante à freguesia de Almagreira”.
Actualmente, a área geográfica do Instituto D. João V está circunscrita às freguesias do Louriçal e Carriço, todavia “muitos pais residentes na freguesia de Almagreira deslocam-se diariamente para trabalhar no Louriçal”, refere o documento, propondo a possibilidade dos seus filhos frequentarem a escola no Louriçal, por entenderem que esta hipótese teria “um impacto positivo na qualidade de vida das famílias e consequentemente nas aprendizagens dos seus educandos”.
Por outro lado, os subscritores da recomendação evidenciam a “rede de transportes escolares insuficiente e inadequada entre as freguesias e a sede” de concelho, a qual contribui para “grandes constrangimentos de desenvolvimento educativo”.
Além disso, o Instituto D. João V solicita ainda “autorização para financiamento e abertura de duas turmas de 5.º ano, duas turmas do 7.º e uma turma do 10.º ano de escolaridade” no ano lectivo 2021-2022.
Afinal, a atribuição de apenas uma turma no 2.º e 3.º ciclos “será financeiramente incomportável para a instituição e poderá colocar em risco a manutenção destes anos de início de ciclo no Instituto D. João V”, explica o documento, sublinhando que a Escola Secundária de Pombal é o “único estabelecimento público com ensino secundário na sede de concelho” e encontra-se “sobrelotado”.
Para o presidente da Câmara Municipal, Diogo Mateus, a redução de turmas financiadas através de contrato de associação “tem sido prejudicial para o nosso território”, pelo que esta proposta “poderia constituir uma melhor gestão dos recursos educativos no nosso território e até um combate a um certo sobrelotamento de alguns estabelecimentos de ensino”.
Já o vice-presidente do município, Pedro Murtinho, que é natural de Almagreira e ex-aluno do Instituto D. João V, considera “da mais elementar justiça recuperar a área de influência de Almagreira” para aquele estabelecimento, que “sempre soube prestar ensino de qualidade”.
A mesma opinião é partilhada pela vereadora Odete Alves, que entende que “mais do que a sobrelotação da Escola Secundária de Pombal, o que está em causa é o desenvolvimento do Louriçal”, cuja “economia está muito assente no Instituto D. João V”.
De referir que a recomendação subscrita pelo Instituto D. João V, bem como pelas juntas de freguesia de Almagreira e do Louriçal, foram aprovadas por unanimidade pelo executivo camarário e pela maioria dos deputados da Assembleia Municipal de Pombal.

CARINA GONÇALVES | Jornalista

*Notícia publicada na Edição nº 201, de 11 de Março