Guilherme Gomes: “Quero ser campeão do Mundo”

0
1375

Para a maior parte dos meninos de seis anos, a brincadeira preferida é jogar à bola, ou brincar com carrinhos telecomandados, mas no caso de Guilherme Gomes os interesses podem parecer um pouco diferentes: com três anos descobriu o motocross, e não descansou enquanto os pais não lhe ofereceram uma moto.
“Na altura não achei grande piada, estava muito reticente e tinha muito medo de dar uma moto ao Guilherme, sendo ele tão pequenino”, no entanto, e depois de tanta insistência, Susana Gomes acabou por ceder à pressão e concordou em oferecer um “PW, da Yamaha”, ao filho. Pelos vistos o jeito para a modalidade é uma coisa natural e aos cinco anos o pequeno Guilherme conquistou o primeiro lugar numa prova. Depois disso os títulos começaram a acumular-se: recentemente atingiu o terceiro lugar no Campeonato Nacional Espanhol e o quarto lugar no Nacional, sendo que neste último campeonato “apenas participou numa prova”.
Guilherme, apesar dos seis anos de idade, tem “uma capacidade de esforço muito grande, porque sabe que é preciso fazer escolhas e é preciso muita dedicação”, garante a progenitora enquanto revela que “por mais tempo que passe, e por mais habituada que esteja, nos dias de prova não consigo comer”, mas garante que o importante é “a felicidade do Gui”.
Com sucessos atrás de sucessos, o jovem garantiu o lugar de ‘piloto oficial da Jomotos’: “foi aqui que comprámos a primeira moto do Gui, foi aqui que fizesses todas as manutenções e adquirimos os acessórios, por isso quando surgiu a oportunidade de representar a marca foi muito bom”, afinal “é uma prova de confiança muito grande”, e que o pequeno Guilherme não faz tensão de perder, é que quando lhe perguntam o que quer ser quando for grande, o jovem, natural do concelho de Soure, nem pestaneja: “quero ser Campeão do Mundo”, e ao que parece o pequeno piloto costuma conseguir tudo a que se propõem, por isso é natural que ainda se ouça falar muito de Guilherme Gomes.
Da prática desportiva é normal que por vezes surjam pequenas mazelas, no caso do motocross, e em particular de Guilherme Gomes, as lesões podem parecer um pouco assustadoras, uma vez que já “partiu um pulso, duas costelas e já deslocou a bacia outras duas vezes”, lamenta a matriarca, no entanto “nada disso o demove da paixão que tem pelas motos”. Treina com a equipa El Toro, em Barcelos, tem provas todos os fins de semana, em vários pontos do país, ou em Espanha, e mesmo assim adora matemática, e “é o melhor aluno da turma”.