EVOHOUSE constrói casas amigas do ambiente

0
981

Habitações com assinatura da Evohouse são construídas com materiais recicláveis. A empresa está na linha da frente da sustentabilidade e são cada vez mais os clientes que optam por este tipo de construção.

Tiago Nunes (arquitecto), André Gaspar (arquitecto de interiores) e Diogo Cardoso (engenheiro civil)

Tiago Nunes é arquitecto e João Lopes é engenheiro. Da visão que partilham sobre um conjunto de preocupações, nasceu a vontade de mudar o paradigma associado à construção de habitações, pedra basilar do projecto que fundaram em 2015, a EvoHouse, precisamente numa época em que o sector ainda atravessava um período menos dinâmico. E se para muitos este podia ter sido factor dissuasor, a dupla de jovens empreendedores encontrou aqui uma janela de novas oportunidades, “reinventando uma série de conceitos que existiam, mas juntando-lhes uma preocupação que ambos temos pelo ambiente”.

É desta paixão que nasce a filosofia da EvoHouse e que se resume numa única frase: “construir de uma forma sustentável”, o que se reflecte na escolha dos materiais e “na forma como construímos”. Com esta linha de acção no horizonte, os empresários reconhecem que vieram colmatar parte de uma lacuna que, até então, existia no sector da construção. Apesar dos passos que têm sido dados no caminho da sustentabilidade, Tiago Nunes reconhece que ainda há muito por fazer. “A União Europeia já tem legislação que regulamenta esta matéria e, neste âmbito, a EvoHouse está no campo da frente, inclusivamente a nível nacional, a construir de forma sustentável”, aponta Tiago Nunes.

Apesar dos passos que têm sido dados no caminho da sustentabilidade, Tiago Nunes reconhece que ainda há muito por fazer.

Num mercado ainda muito tradicional, onde as preocupações ambientais são, ainda, muito insípidas, coube aos fundadores da EvoHouse levar por diante uma missão difícil: desbravar terreno, sensibilizando clientes para esta necessidade de mudança na forma de construir.Com uma equipa jovem e multidisciplinar, formada por profissionais competentes e atentos às exigências de cada cliente, a EvoHouse conseguiu gradualmente ganhar posição no mercado, com especial incidência no da região Centro. “Nos últimos cinco anos, assistimos a uma preocupação crescente com o ambiente”, o que tem contribuído para uma “mudança de mentalidade”, e se traduz no volume de negócios. “Tivemos um período difícil em que ‘falámos’ muito sozinhos, mas depois começámos a ter mais oradores”, relembra Tiago Nunes, em jeito de brincadeira.
E qual é, afinal, o perfil do cliente que procura uma empresa com estas características? “É um cliente que, acima de tudo, tem preocupações com o meio ambiente, que vive o dia de hoje, procura soluções práticas, rápidas de construir e preocupado com a possibilidade de se divorciar ou de vir a ter mais um filho, ou seja, muito atento ao que a vida hoje tem”, enuncia o arquitecto. No que toca a faixas etárias, o ângulo é ainda um pouco mais alargado: “é um cliente sem idades, dos 20 aos 70 anos, mas que em comum tem a idade mental, que é o mais importante”.

—————————————-
A EvoHouse constrói habitações unifamiliares, todas em aço leve, e, nessa medida, presta um serviço completo ao cliente (chave na mão), desde o projecto (arquitectura e especialidades) – que pode seja este escolhido entre os modelos standard (com valores já pré-definidos) ou construído à medida das expectativas de cada cliente – aos arranjos exteriores. “É esse o nosso core business”, sublinha Tiago Nunes.
A par do aço leve (material 100% reciclável), que permite uma redução significativa de emissão de dióxido de carbono, a EvoHouse incorpora também isolamentos com matérias-primas naturais e recicláveis, o que “marca uma diferença clara relativamente à construção tradicional”, sublinha Tiago Nunes. Em traços gerais, resume o empresário, “as nossas soluções destacam-se pelo nível de conforto”, patente na elevada eficiência energética, na solução acústica de topo e na qualidade do ar interior. A estas vantagens técnicas acresce a rapidez de construção (metade do tempo das habitações tradicionais), o que permite, também, uma redução dos custos.

10
Com sede no Parque Industrial de Abiul e escritório na cidade de Pombal, a Evohouse tem sempre, em média, 10 habitações em construção. Para isso, conta com uma equipa de colaboradores entre 20 e 40 pessoas.

Parte dos lucros da empresa revertem, com regularidade e desde a fundação da empresa, para a Associação Os Bissaynhos – Nascidos antes do tempo (Maternidade Bissaya Barreto).