Encontro de Teatro abre com peça brasileira

0
802

A peça “Cordel” a cargo da companhia de teatro Procênio, de São Paulo (Brasil), sobe o pano para a terceira edição do Encontro de Teatro promovido pelo Teatro Amador de Pombal (TAP).

O espectáculo está agendado para a noite de hoje, dia 8, no Teatro-Cine de Pombal. “Será uma experiência nova para nós e para o público”, refere Catarina Ribeiro, presidente da direcção do grupo que, no próximo ano comemorará 40 anos de existência.

Humberto Pinto, dirigente do TAP, destaca a presença daquele grupo brasileiro em Pombal que, tal como aconteceu com o próprio grupo anfitrião, também foi premiado no festival de teatro “Cale-se”. “Cordel” é um espectáculo que proporciona ao público uma viagem pela cultura popular, tendo como pilar principal a literatura de cordel. A peça aborda de uma forma em geral “a cultura de um povo que por muitos são vistos apenas como um povo sofrido, castigado pela seca do sertão, mas que apesar de tudo preservam suas tradições, mantendo viva a cultura popular brasileira”, refere aquele grupo.

No dia seguinte será a vez de subir ao palco o “Ajidanha”, companhia de teatro de Idanha-a-Nova, com o espectáculo “Opus”, com encenação de José Carlos Garcia, que também já trabalhou em produções do Teatro Amador de Pombal.

Aliás, Catarina Ribeiro destaca o facto de o TAP e o “Ajidanha” estar a preparar uma produção conjunta, encenada por Rui M. Silva, que será apresentada em 2016 no âmbito das comemorações do 40º aniversário do Teatro Amador de Pombal. A dirigente realça que se tratam de dois grupos de teatro com uma boa relação e muito semelhantes, pelo que “será uma experiência muito enriquecedora”.

O Encontro de Teatro desce o pano no domingo, 10 de Janeiro, às 16 horas com a prata da casa. O TAP levará à cena “As Viagens de Gulliver”, uma das suas mais recentes produções, encenada por Gabriel Bonifácio e Humberto Pinto.

O evento, que pretende ser um espaço de partilha com grupos de teatro com quem o TAP mantém alguma relação, mostrando o que de bom se faz, tem um preço de entrada de dois euros por pessoa, e conta com o apoio de autarquias e de algumas empresas.

Orlando Cardoso

Notícia publicada na edição nº72, de 07 de Janeiro