Dirigentes preocupados com falta de bombeiros voluntários

0
779

Número reduzido de elementos no corpo activo levanta preocupações à associação detentora do Corpo de Bombeiros, que pretende lançar uma campanha para recrutar novos voluntários.

José Manuel Carrilho, presidente da Assembleia Geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Pombal, apelou a um “esforço” da direcção no sentido de serem recrutados novos operacionais para o corpo activo. “É uma situação urgente”, disse.

O dirigente manifestou a sua “preocupação” quando verificou, no relatório do comando, submetido à assembleia geral da instituição, que o quadro activo da corporação só dispõe de 142 operacionais, distribuídos pelas cinco companhias, três das quais destacadas.

Apesar de terem sido 26 novos bombeiros estagiários, dos quais alguns já abandonaram a corporação, José Manuel Carrilho considerou que “é necessário fazer alguma coisa”. Até porque o quartel-sede dispõe apenas de 47 elementos no corpo activo, enquanto as companhias destacadas do Louriçal e Oeste dispõem de 36 e 32, respectivamente. A companhia de Albergaria dos Doze possui 27 operacionais no corpo activo.

Em jeito de resposta, Sérgio Gomes, presidente da direcção, garantiu que é intenção da instituição promover uma campanha de recrutamento de novos bombeiros voluntários, estando a ser realizadas, nesse âmbito, “diligências com a Câmara Municipal” no sentido de serem criados alguns incentivos para os elementos do corpo activo.

De acordo com o relatório do comando, a corporação prestou, durante o ano de 2015, 12.288 serviços, dos quais 10.720 corresponderam à protecção e assistência a pessoas e bens, tendo sido transportadas 16.395 pessoas e percorridos mais de 607 mil quilómetros.

O comandante Paulo Albano refere que foram socorridos 251 acidentes, 135 dos quais despistes e 95 colisões rodoviários. Na área do pré-hospitalar foram registadas 4.979 ocorrências, 4005 consideradas doenças e 834 traumas. A corporação registou, ainda, 5309 assistências em saúde, com 4002 transportes de doentes.

Por outro lado, os “soldados da paz” acorreram a 72 incêndios urbanos e tecnológicos, enquanto os incêndios rurais atingiram 203 ocorrências.

Quanto a 2016, a direcção liderada por Sérgio Gomes pretende “continuar a dotar os nossos bombeiros com equipamento de protecção individual, assegurando a reposição dos equipamentos degradados”. Por outro lado, propõe-se continuar a “requalificar o parque auto”. “Com o produto das actividades da 5ª Companhia e da Associação dos Amigos da 5ª Companhia [Oeste], vamos adquirir uma ambulância de socorro”, refere o plano de acção aprovado por unanimidade. Sérgio Gomes acrescenta que se trata de um investimento na ordem dos 50 mil euros e que deverá ser concretizado durante o mês de Maio.

A direcção pretende, ainda, comprar um Veículo Tanque Táctico Urbano (VTTU) para “substituir o que está estacionado na 3ª Companhia [Albergaria dos Doze]”. Já, no âmbito do quadro comunitário de apoio, a instituição pretende candidatar-se à aquisição de um Veículo Rural de Combate a Incêndios (VCI).

Solicitações à ANPC e INEM

A Associação Humanitária solicitou em Setembro do ano passado à Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC) a instalação de uma segunda Equipa de Intervenção Permanente (EIP). Para o efeito, Sérgio Gomes explica que existe um entendimento com a Câmara Municipal, que se disponibilizou a comparticipar os respectivos custos. Por outro lado, a instituição solicitou ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) a criação de um segundo Posto de Emergência Médica (PEM). Solicitações que ainda não obtiveram qualquer resposta por parte daquelas duas entidades.

Orlando Cardoso (texto)

Foto: Arquivo Pombal Jornal

Notícia publicada na Edição nº79, de 14 de Abril