Concerto assinala 152 anos da Filarmónica de Pombal

0
350

Fundada a 16 de Outubro de 1867, a Associação Filarmónica Artística Pombalense celebra 152 anos de existência. Durante este percurso resistiu a guerras, crises económicas, revoluções mas manteve-se sempre focada em promover o estudo, a defesa e a divulgação da música e das artes.
Para assinalar a efeméride, a instituição está a preparar um concerto comemorativo, que terá lugar no auditório principal do Teatro Cine de Pombal, este sábado, 19 de Outubro, a partir das 21h30. O espectáculo é conduzido pelo maestro titular Mário Teixeira e em palco estarão cerca de 40 executantes, distribuídos pelas flautas, oboés, clarinetes, saxofones, fagotes, trompas, trompetes, trombones, bombardino, tuba e percussão. A entrada no evento é gratuita, mas ainda assim requer a aquisição de bilhetes, disponibilizados na sede da Filarmónica Artística Pombalense, situada na Rua Fonte Nova, na Urbanização Fonte Nova (Charneca).
Numa instituição com esta idade é curioso olhar para a equipa técnica, direcção e executantes e perceber que média etária é inversamente proporcional, “a rondar os 20 anos”, explica orgulhosamente Carla Longo, presidente da direcção.
E se ainda se pode pensar que isto das “filarmónicas” é coisa para os velhos, a ideia não pode estar mais errada. Na Filarmónica Artística Pombalense é tudo pensado para “cativar os jovens”. Para isso, renova-se constantemente o repertório, que acaba por se adequar ao corpo de executantes, e que pode ir “do pop-rock até à música clássica”, o que atrai o público pela “ligação” mais próximas.
Actualmente, a banda é constituída por mais de seis dezenas de executantes e mantém a sua Academia de Música, com as disciplinas de Formação Musical, Classe Conjunto, Iniciação Musical, Clarinete, Percussão, Trompa, Trompete, Tuba, Eufónio, Trombone de Varas, Saxofone, Flauta Transversal e Oboé, e continua com a oferta do ensino de outros instrumentos musicais, como por exemplo o Piano, a Guitarra Clássica e Eléctrica, a Viola Baixo, a Bateria, o Acordeão ou o Violino.