Chef Flávio Silva desafia a “agarrar na fava e valorizá-la”

0
348

A combinação pode ser improvável, mas juntar chocolate com favas resulta numa experiência sensorial bem mais interessente do que se possa imaginar, a sugestão é de Flávio Silva, Chef de Cozinha natural das Meirinhas, que regressou à freguesia para lançar um desafio à edilidade.


Actualmente a liderar a cozinha do restaurante “O Buke” do Villa Pampilhosa Hotel, na Pampilhosa da Serra, o Chef Flávio Silva, natural de Meirinhas, regressou à freguesia para apadrinhar o Festival da Fava, evento organizado pela edilidade no último fim-de-semana. O jovem aproveitou o certame para dar a provar uma das suas especialidades, o chocolate, ao qual juntou a rainha da festa, a fava, numa combinação que tem tanto de improvável como de deliciosa.
O Chef, candidato ao concurso Chef Cozinheiro do Ano (CCA) 2019, e criador de uma marca de bombons artesanais lançou um desafio à Junta das Meirinhas, no sentido de lançar um bombom de chocolate e fava, que certamente irá “marcar as pessoas com algo diferente e inesperado”, e que tem como objectivo “agarrar na fava e valoriza-la” como um produto que “pode ser utilizado na alta cozinha”, admite. Durante o show cooking que apresentou no sábado, 4 de Maio, durante o Festival da Fava, o jovem de 32 anos apresentou três opções de chocolate e fava, “com execuções mais simples ou mais complexas”, que incluem farinha de fava e fava verde.

Fava “pode ser utilizada na alta cozinha”

Flávio Silva, que na última década tem dedicado o seu trabalho a “elevar a gastronomia da região Centro à alta cozinha”, vai competir no mais antigo concurso de chefes de cozinha em Portugal, que celebra este ano a sua 30.ª edição, mas engane-se quem julga que Chef sempre sonhou com um futuro ligado à alta cozinha: depois de um percurso académico feito no concelho de Pombal, o jovem rumou a Coimbra pra frequentar o curso de Economia, no entanto “não estava satisfeito e sentia que o meu percurso passava pela Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra”, onde afirmou o gosto pela cozinha. Em casa tinha o exemplo do pai: “um grande Chef” que lhe incutiu a “paixão”, e que pretende “homenagear” com o trabalho que tem vindo a desenvolver ao longo dos últimos anos: “a maior homenagem que lhe posso dar é conseguir ser tão bom quanto ele”, afirma.
O jovem pombalense conta com “inúmeras experiências, em diversos locais”, trabalhou em
restaurantes e hotéis de renome e em hotéis menos conhecidos, desde um “simples aprendiz” até atingir um nível de excelência que lhe permitiu rumar para outros níveis. Em 2006, alcançou o 1.º lugar no concurso Pasteleiro Júnior, onde apresentou um bombom de Licor Beirão, e que o impulsionou a criar a sua própria marca de chocolates artesanais. Sucessos atrás de sucessos, o Chef conta com várias receitas premiadas em diversos concursos.
O meirinhense adianta que tem feito um “grande trabalho de pesquisa e estudo de comportamentos de produtos” no sentido de promover os sabores mais tradicionais e endógenos, como é o caso da fava: “com alguma criatividade podemos criar coisas diferentes, com produtos baratos e acessíveis e que a maioria das pessoas nem lhes liga”, mas que “têm um grande potencial de inovação”, e demonstra que “era interessante lançarmos um produto diferenciador, à base de fava, que pudesse ser mostrado noutros certames e que, de alguma forma elevasse o nome da freguesia”. Flávio Silva fez, ainda, parte da comitiva que acompanhou a Selecção Nacional de Futebol ao Mundial de 2018, na Rússia, e nos últimos meses tem acompanhado a Selecção Sub-21.