CDS-PP aponta sugestões para melhorar apoio ao desporto

0
1171

Foi aprovado, no início do mês de Março, o projecto de alteração ao regulamento municipal de apoio à prática desportiva. No decurso da análise ao documento e após reunião com a vereadora do Desporto e com alguns agentes desportivos, o CDS-PP propõe algumas melhorias, relacionadas sobretudo com o mérito desportivo.

Nesta medida, a Comissão Política Concelhia, presidida por Telmo Lopes, sugere que “os critérios de majoração” sejam “clarificados”, nomeadamente no que toca a “prémios pela classificação em campeonatos nacionais”. Entende a estrutura política que, nestes pontos, “falta uma divisão por escalão, entre formação e seniores, e por nível competitivo, uma vez que em algumas modalidades podem existir equipas a competir na segunda e na terceira divisão nacional, devendo o prémio atribuído variar consoante a importância do campeonato”.
O CDS-PP de Pombal sugere ainda que seja alterado o artigo que prevê a “possibilidade de o apoio por entidade ser reduzido pela aplicação do limite inscrito no orçamentado municipal desse ano”. Entendem os centristas que esta redacção “deixa a porta aberta para que em futuros executivos existam cortes significativos nos apoios concedidos”, sugerindo inclusivamente “que seja estabelecido um limite mínimo de financiamento de 4,5 euros por ponto obtido”. Por seu turno, “a penalização prevista no número 4 do artigo 14°, aplicável aos clubes sem formação, poderá ser aumentada relativamente aos 10% previstos neste momento”, defende.
Relativamente a atletas internacionais, o CDS-PP de Pombal nota que “faltam prémios para esse esforço de acordo com critérios como o número de internacionalizações, a participação em campeonatos internacionais ou a obtenção de recordes regionais e nacionais”. Os centristas defendem, de igual modo, “a disponibilização de equipamento desportivo, consultas de nutrição, acesso a instalações de treino, incluindo ginásio”, importantes “para as estruturas formadoras”.
O CDS-PP chama também a atenção para o facto de o regulamento não incluir os atletas federados de desportos individuais como o skate ou o breakdance que não estejam inscritos num clube ou associação e apela ao executivo para que sejam criadas condições para “actividade desportiva destinada a atletas para-olímpicos”, através de instalações próprias ou aquisição de equipamento desportivo destinado a esse fim. “Consideramos que esta é uma lacuna que interessa colmatar com a maior brevidade possível, devendo ser definida a modalidade ou modalidades prioritárias de acordo com o número de potenciais atletas”, aponta.

*Notícia publicada na edição impressa de 6 de Abril