Câmara dá parecer favorável a central solar fotovoltaica

0
584

A Câmara de Pombal aprovou, na última reunião do executivo, um parecer favorável à instalação de uma central solar fotovoltaica, a construir numa área de cerca de 185 hectares próximo do Parque Industrial Manuel da Mota, na Quinta da Gramela. Um investimento privado estimado em cerca de 15 milhões de euros.
O projecto tem como objectivo a produção de energia eléctrica a partir da energia solar, com recurso a painéis solares, prevendo a venda de energia, a preços mais competitivos, directamente às unidades industriais existentes nos pólos industriais do concelho, de forma a torná-los mais apelativos à instalação de novas unidades industriais.
De acordo com a proposta aprovada pelo executivo, o projecto contribuirá “para a diversificação das fontes energéticas e independência energética do país, sendo responsável, por se basear numa fonte de produção de energia eléctrica limpa, pela diminuição das emissões de CO2 (gases com efeito de estufa) e de outros poluentes associados à produção de energia eléctrica por outras fontes”. “Estima-se que a central venha a gerar uma produção de aproximadamente 41,5 GWh/ano de energia, evitando a emissão de 8,466 toneladas de CO2 por ano”, adianta o documento.
A proposta técnica considera que a implantação e instalação da infra-estrutura é viável no local previsto, “tendo em conta que a central pretendida não acarreta prejuízos inaceitáveis para o ordenamento e desenvolvimento local.” O documento realça que “não se considera existir efeitos negativos nos usos dominantes, os quais compreendem solos predominantemente de uso ou vocação florestal, nomeadamente floresta de eucalipto; não interfere com zonas consideradas sensíveis definidas no Plano Director Municipal, nomeadamente com áreas da Rede Natura 2000; se implanta fora das zonas urbanas existentes; se trata de uma instalação de produção de energia eléctrica a partir de uma fonte renovável geradora de poucos substâncias poluentes”.
“Não obstante a grande dimensão da área a intervencionar, não são esperados impactes significativos nas áreas afectadas, tendo em conta o tipo de instalação e soluções previstas na sua implementação”, enaltece a Câmara Municipal de Pombal.

*Notícia publicada na edição impressa de 28 de Fevereiro

Partilhar
Artigo anteriorOs Amigos da Perdiz entregam donativo à Casa Abrigo Teresa Morais
Próximo artigoExcelência gastronómica alia-se aos melhores vinhos
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.