Bicicletas de uso partilhado mais próximas de chegar à cidade

0
805
Uma das estações fica localizada no Largo do Cardal

O bikesharing, um sistema de bicicletas de uso partilhado, com a denominação de “PomBike”, já está a ser implementado na cidade de Pombal.

Segundo o Município de Pombal, “o projecto prevê o fornecimento, instalação e implementação de um sistema de bicicletas de uso partilhado para dotar a cidade de melhores condições de acessibilidade e mobilidade urbana numa óptica de sustentabilidade”.
Ao todo, serão disponibilizadas 30 bicicletas convencionais e cinco eléctricas, repartidas pelas quatro estações de 12 docas cada. O sistema dispõe ainda de controlo para monitorização, me tempo real, e gestão do sistema.
As quatro estações para o estacionamento das bicicletas públicas estão a ser instaladas junto à Biblioteca Municipal, Piscina Municipal, no Largo do Cardal e junto às escolas Secundária e EB 2,3 Marquês de Pombal.
Com o projecto “Pombike”, o município espera “promover a estratégia de baixo teor de carbono, nomeadamente nas zonas urbanas, bem como a promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação”.
Por outro lado, “assume o Compromisso pela Bicicleta, promovido pela Plataforma Tecnológica da Bicicleta e Mobilidade Suave da Universidade de Aveiro, que visa, essencialmente, a adopção de modos de transporte suaves e hábitos de vida saudável”, esclarece a autarquia presidida por Diogo Mateus.
A implementação do projecto permitirá, ainda, “que os cidadãos possam chegar à cidade de Pombal, estacionar o seu veículo numa das bolsas de estacionamento periféricas da cidade e utilizar a bicicleta para se deslocarem na malha urbana”, acrescenta o município. Aos que residem na cidade oferece a possibilidade de utilização deste meio de transporte “em detrimento do modo motorizado”, realçando os benefícios para o meio ambiente. “Quanto maior for a adesão à utilização do “Pombike”, maior será o seu sucesso e, consequentemente, maior a redução de emissões de CO2 associada a esta transferência modal”, refere.
Para além de redutor da emissão de gases com efeito de estufa, a utilização de meios de transporte ciclável contribui, de igual modo, para a “redução da poluição sonora associada ao tráfego automóvel”.
Mais-valias que, no entender da autarquia, são ainda mais abrangentes. “O uso de bicicleta no interior da cidade irá estimular a mudança de hábitos sedentários” e fomentar a “prática de exercício físico e a adopção de hábitos de vida saudáveis”.
O município realça, por outro lado, o “conforto” oferecido pelo sistema ao utilizador, “uma vez que permitirá devolver as bicicletas numa estação diferente daquela onde iniciou o percurso, evitando ao utilizador de voltar ao ponto inicial, sendo um fator encorajador para a opção por este meio de transporte”.

*Notícia publicada na Edição nº 202, de 25 de Março