Foram nove as colectividades do concelho de Pombal que apresentaram candidaturas ao novo programa lançado pelo governo para apoiar a reabilitação de equipamentos afectados pela tempestade Leslie, ocorrida em Outubro de 2018.
As candidaturas, com um valor global a rondar os 400 mil euros, foram apresentadas à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro, no âmbito do Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva. A medida contemplará, em caso de aprovação, um financiamento por parte da Direcção-Geral das Autarquias (DGAL) correspondente apenas e até ao valor de 70 por cento da candidatura, perfazendo o valor pouco superior a 278 mil euros.
Por sua vez, a Câmara Municipal de Pombal deliberou assegurar a comparticipação de 20 por cento do valor das candidaturas, num valor global de cerca de 79.500 euros.
A candidatura de maior valor, de 94.670 euros, foi apresentada pela Associação de Promoção Social Desportiva Recreativa e Cultural de Moita Boi (Louriçal), seguindo-se a Associação Cultural Recreativa da Freguesia do Carriço, no valor de cerca de 81 mil euros. Já o Grupo Desportivo e Recreativo dos Vieirinhos (Carriço) apresentou prejuízos de cerca de 76 mil euros, enquanto o Grupo Desportivo, Cultural e Recreativo do Outeiro do Louriçal candidatou uma verba de 58.179 euros.
O Grupo Desportivo da Ilha e a Associação Cultural Desportiva e Recreativa de Almagreira referem danos que totalizam cerca de 35 e 31 mil euros, respectivamente. As restantes candidaturas foram apresentadas pelo Centro Recreativo Folclórico e Artístico de Antões (9.750 euros), a Associação Cultural e Recreativa de Melhoramentos de Silveirinha Grande e Claras (6.371,40 euros) e a Associação Recreativa, Cultural e Desportiva do Grou (União de Freguesia de Guia, Ilha e Mata Mourisca), com 5.475 euros.
Recorde-se que dias depois da passagem da tempestade Leslie pelo concelho de Pombal, a Câmara Municipal referiu que a mesma provocou “prejuízos superiores a 4,8 milhões de euros, num rasto de destruição que se fez sentir com maior intensidade nas freguesias do Carriço, Louriçal, Almagreira e União das Freguesias da Guia, Ilha e Mata Mourisca.”

Partilhar
Artigo anteriorO PAPEL DA OPOSIÇÃO | Por Raul Testa*
Próximo artigoPombalenses que brilham “lá fora”
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.