Associação Desportiva Pedro Roma celebra 14 anos de existência

0
596

Na altura em que a Associação Desportiva Pedro Roma celebra 14 anos ao serviço do desporto, o dirigente, que dá nome à colectividade, faz um balanço do percurso percorrido, fala da importância do desporto no desenvolvimento social dos mais jovens e revela, ainda, projectos para o futuro.

Quando, em 2004, Pedro Roma decidiu investir num projecto em seu nome, tinha como objectivo “colmatar um espaço que não existia: o futebol 5”. Na altura “a modalidade começou a surguir e as associações e colectividades não a promoviam”, por isso a Associação Desportiva Pedro Roma (ADP Roma) acabou por ser “pioneira dentro na criação, ou no desenvolvimento, do futebol 5”, conta o mentor do projecto.
Apesar de, na altura, se tratar de um conceito pouco desenvolvido, passados 14 anos, a ADP Roma atingiu um estatuto de “referência não só no concelho de Pombal, mas também fora da nossa área”. E se inicialmente o arranque se deu com duas vertentes bem diferentes: “uma mais desportiva, com a criação da Associação, e outra vertente mais empresarial: o Foot-in”, que “surge na tentativa de oferecer um espaço de excelência em que as pessoas pudessem jogar com os seus amigos, à noite, por exemplo, ou onde empresas podiam realizar eventos”.

“O Foot-in deixou de existir há cinco anos”

No entanto o “Foot-in deixou de existir há cinco anos”, sendo que actualmente “somos única e exclusivamente uma associação”, onde “nos dedicamos exclusivamente ao projecto de formação e às escolinhas”. Ainda assim, “continuamos a alugar o espaço a amigos, ou a empresas que queriam usufruir de condições estruturais de grande qualidade, continuamos, também, a dinamizar alguns eventos, nomeadamente as festas de aniversário das crianças das nossas escolinhas”, mas agora “apenas como AD Pedro Roma”.
Em jeito de celebração, não só do aniversário da Associação, mas também “porque é o fruto de muito trabalho e dedicação de todos os que estão envolvidos neste projecto”, Pedro Roma releva que “nos últimos dois anos sentimos que a nossa marca está cada vez mais consolidada”, a “procura tem sido enorme”, até porque com a evolução diária a colectividade passou também a “disponibilizar a modalidade de Futebol 7”, e prepara-se para alargar a oferta “para o futebol 11, em 2019”.

“Tivemos um crescimento entre 70 a 80 % de procura”

Só no ano corrente, “tivemos um crescimento entre 70 a 80 % de procura”, passando, assim, “de 70 crianças a frequentar a Associação, para as 130 jovens”. Um “boom enorme”, que se deve, “fundamentalmente ao facto das pessoas acreditarem que o nosso projecto tem qualidade: para além da qualidade desportiva, tem também uma qualidade humana muito grande”, e onde, para além de se jogar muito futebol, “tentamos incutir fortes valores sociais e espírito solidário”, revela o ex-guarda-redes.
Ainda que o crescimento da colectividades esteja à vista, o mentor do projecto admite ter o “sonho de fazer crescer a AD Pedro Roma”, para que isso aconteça, “obviamente que vamos carecer de apoios privados e camarário, porque estamos a falar de uma obra que vai necessitar de apoio financeiro, e de outro tipo de apoios”, mas mostra-se confiante de que “certamente que se a Câmara Municipal estiver disponível e se acreditar neste projecto, vai associar-se”, até porque a “imagem que temos transmitido é de um projecto sustentado e de credibilidade”, e garante que “já há um acordo com uma associação concelhia, que está disponível para fazer uma parceria connosco”, sendo que o objectivo é “revitalizar um espaço dentro da cidade, onde, há muitos anos, já se desenvolvia a prática desportiva e que deixou de o fazer”.
A parceria com a associação, deixa-nos “muito satisfeitos”, no entanto “agora é começar a limar arestas, e se as partes continuarem disponíveis, e se as entidades oficiais se mostrarem disponíveis, estou convencido de que será um projecto que vai valorizar, não só zona em que se vai implementar a futura Academia Pedro Roma, mas também vai ser um projecto que vir a ser utilizado por todas as outras colectividades concelhias”, revela Pedro Roma, já de olhos postos no futuro.

Partilhar
Artigo anteriorIdoso morre em colisão com máquina retroescavadora
Próximo artigoGrupo Protecção Sicó com utilidade pública
Nasceu em 1985, estudou Comunicação Social na Escola Superior de Educação de Coimbra e participou num curso de formação em Jornalismo e Crítica Musical. Passa os dias a ouvir música, adora assistir a concertos e sonha viajar pelo mundo com uma mochila às costas.