“As portas das igrejas não se podem fechar às manifestações culturais”

0
1140

Com o intuito de reunir toda a paróquia, foi preparado um dia de actividades, todas elas integradas no dia da família paroquial e nas festas de São Martinho.

Logo pela manhã do dia 9 de Novembro, a celebração da eucaristia recebeu cerca de dois milhares de pessoas no expocentro para ouvir a palavra de Deus. Seguiu-se o festival de sopas e o magusto, que durante a tarde serviu como pretexto para momentos de convívio e de partilha.

À noite, foi tempo de recolher à “casa de Deus”, mas para uma oração diferente, com um concerto do padre João Paulo na Igreja do Cardal, que mostrou uma outra forma de estar na igreja. O facto de a igreja estar cheia, no seu entender, é “sinal que a mensagem passa e que as pessoas buscam viver as coisas de formas novas”. Por outro lado, defende que as igrejas têm de ter uma utilização própria, “mas não se fechando a este tipo de concertos e a este tipo de manifestação da fé”, sendo também uma forma de aproximar, principalmente os mais novos.

A garantia dada pelo pároco é de que a Igreja do Cardal continuará a ser palco de actividades musicais, dinamizadas tanto pela paróquia como pelo município.

Leia a notícia completa na edição impressa nº 44