ARS Centro sem dinheiro para reparar infiltrações

0
114

O vice-presidente da Câmara de Pombal diz que ficou de “boca aberta” quando a Administração Regional de Saúde do Centro (ARS Centro) lhe comunicou que não tinha cerca de 500 euros para substituir os filtros do sistema de ventilação do edifício do Centro de Saúde da cidade.
Pedro Murtinho respondia, em reunião camarária, à vereadora Odete Alves (PS), que denunciou o facto de continuar a pingar água no interior do edifício. “É chocante assistir à degradação de um património destes”, disse a autarca.
O edifício foi construído em 2016 pelo município num investimento de 1,2 milhões de euros e cedido à ARS Centro.
O vereador, que tutela as obras públicas, reconheceu que aquela é uma “preocupação” e que os técnicos do município “têm sido incansáveis” para encontrar a origem do problema, designadamente com várias vistorias à cobertura do edifício e à realização de testes para apurar alegadas infiltrações.
Pedro Murtinho adiantou que, de acordo com as análises e testes, tudo leva a crer que se trata de uma questão de ventilação das próprias instalações, criando “um nível de condensação muito elevado”.
O caso foi reportado à ARSC e ao ACES do Pinhal Litoral, para que fosse efectuada uma manutenção profunda de todo o sistema de ventilação, sendo proposta mesmo a substituição de filtros.
O vereador disse então que recebeu a resposta da ARSC, dando conta que “estava plenamente de acordo” com a necessidade de uma “manutenção profunda e substituição de filtros”. No entanto, o orçamento para uma intervenção imediata indicava um valor de 534 euros, tendo a mesma entidade afirmado que “não tem cabimento orçamental” para efectuar aquela despesa.
“Eu próprio fiquei de boca aberta”, afirmou Pedro Murtinho, revelando-se chocado com aquela resposta.

*Notícia publicada na edição impressa de 09 de Janeiro

 

Partilhar
Artigo anteriorExternato de Albergaria quer alargar oferta ao Secundário
Próximo artigoAlimentação escolar, que futuro?
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.