TAP junta várias áreas da cultura na Praça das Letras

0
338

Fundado em 1976, o Teatro Amador de Pombal (TAP) prepara-se para celebrar o 42.º aniversário com mais uma edição da ‘Praça das Letras’, um evento multidisciplinar que cruza várias artes.

Para celebrar o seu 42.º aniversário, o Teatro Amador de Pombal volta a promover a ‘Praça das Letras’, um evento que durante três dias, entre 13 e 15 de Julho, vai animar a Praça Faria da Gama, popularmente designada como praça das galinhas, com uma vasta oferta cultural, que cruza várias artes. O certame vai já na terceira edição.
Assim, a Praça das Letras arranca na sexta-feira, dia 13, pelas 20h45, com um “sunset a cargo dos L.S.D. LIVING STATUES DJS”, uma dupla que traz até Pombal “um conceito de performance altamente inovador que mistura as técnicas de estátua viva com Dj”, e que já já percorreu os maiores festivais de música do mundo, nomeadamente o Tomorrowland e o Boom Festival. “Uma ideia do pai das estátuas vivas em Portugal, António Santos”. Quem não se lembra dele a ‘levitar’, durante o Festival de Estátuas Barrocas, que animou a zona histórica da cidade no passado mês de Maio?
No dia seguinte, pelas 18h45, decorre uma tertúlia sobre a “Gastronomia Portuguesa com os escritores Guida Cândido e Fortunato da Câmara, moderada por Paulo Moreiras”. A organização justifica esta escolha com o facto de “2018 ter sido escolhido como o Ano Europeu do Património Cultural”. Segundo Humberto Pinto, presidente do TAP, “entendemos que seria importante reflectir sobre a importância da gastronomia portuguesa como elemento fundamental do nosso Património Cultural, não esquecendo que a dieta mediterrânica foi classificada em 2013 como Património Mundial e Imaterial da Humanidade pela UNESCO”.
O dia termina com o espectáculo PHOTOMATON, “divertimento para viola portuguesa e mala preparada de Fernando Mota”: é um “solo portátil, uma instalação itinerante, um álbum de peças poéticas insólitas, uma invenção plástico-sonora sem manual de instruções”. A Mala Preparada é uma antiga mala de cartão onde se escondem “cordas, molas, rodas e outras patifarias tocadas com as mãos, pauzinhos chineses, um arco de violino e o diabo a sete”.
No último dia do certame, a 15 de Junho, pelas 18h45, é esperada “uma tertúlia sobre Banda Desenhada com André Diniz (Brasil) e Osvaldo Medina (Portugal), moderada por Humberto Pinto”.
A terceira edição da Praça das Letras encerra pelas 22h00, com o espectáculo A MÁQUINA, “em que as palavras são de António Pedro Ribeiro, a música de Luís Santos e a voz é de Maria Jeromito”. Este projecto liga a guitarra eléctrica, à poesia e ao vídeo, num espectáculo “conduzido pela palavra – por vezes forte -, e almofadado pelos sentidos e pelas ambiências criadas pelos sons, por vezes caleidoscópicos”.
Durante a apresentação pública do evento, que decorreu a 19 de Junho, Ana Gonçalves, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Pombal felicitou o TAP pelo “contributo que tem dado à cultura”, desejando que “continue nesta senda de qualidade e a oferecer espectáculos que dinamizem a vertente cultural”.
Também Pedro Pimpão, presidente da Junta de Freguesia de Pombal, teceu fortes elogios ao trabalho desenvolvido “ao longo dos anos” pelo Teatro Amador de Pombal, e pela “história que tem vindo a ser escrita, e que é motivo de orgulho para todos” os pombalenses. O autarca admite que a “cultura tem que ter um papel fundamental dentro das comunidades”, e em “Pombal temos a sorte de ter pessoas cheias de talento e com uma enorme dedicação”.