Praia das Rocas quer atingir 120 mil entradas este ano

0
458

A Praia das Rocas, em Castanheira de Pera, que reabriu as suas no dia 1 deste mês, quer alcançar este ano as 120 mil entradas, o mesmo número de 2016, considerado o melhor ano do complexo.
“Considerando que ainda possa ocorrer algum impacto decorrente dos incêndios, a minha expectativa é que consigamos alcançar em 2018 os mesmos números do melhor ano até hoje, que foi 2016, com 120 mil entradas”, disse Cláudia André, presidente da Prazilândia, empresa municipal que detém a gestão da Praia das Rocas.
Cláudia André, nomeada recentemente para o cargo pela Câmara Municipal, explicou que em 2017 a praia, conhecida pelas ondas artificiais, teve 100 mil entradas, justificando a descida relativamente a 2016 com os fogos ocorridos em Junho. “Tivemos cerca de 15 dias fechados na sequência dos incêndios, além de que a praia serviu de estrutura do apoio aos fogos, com cerca de uma centena de pessoas a pernoitarem nas suas instalações durante os primeiros dias”, declarou.
A presidente do conselho de administração refere que uma das inovações este ano passa pela disponibilização da venda de bilhetes na Internet, noutros locais da vila de Castanheira de Pera e na região.
“A decisão deve-se ao facto de se terem verificado filas para a aquisição de bilhetes dada a grande afluência registada nalguns dias do ano passado”, referiu Cláudia André, adiantando que a Praia das Rocas vai continuar a disponibilizar diversas actividades, onde se incluem escalada, rapel, assim como animação, além de outros serviços de apoio, como alojamento em ‘bungalows’, bar e restaurante.
A responsável adiantou que está assegurada a qualidade da água, explicando que “a entrada da água na piscina não se faz de forma natural, pelo que é controlada pela Prazilândia, e o caudal do leito da ribeira não está afectado devido à forte precipitação ocorrida este ano”.
“O ano passado as pessoas não deixaram de vir à Praia das Rocas, até por solidariedade devido aos incêndios. O que queremos é que as pessoas continuem a vir, a gostar, que saibam que vir à praia é uma experiência extraordinária, única e segura, e que saiam com vontade de voltar”, declarou Cláudia André.

Partilhar
Artigo anteriorARCUPS lança campanha de crowdfunding para realizar festival
Próximo artigoCâmara encerra programa Porta Aberta na zona histórica
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.