Municípios de Pombal e Soure cooperam em defesa do Anços

0
188

Os presidentes das câmaras municipais de Pombal e de Soure assinaram no passado dia 20, um protocolo de “entendimento e cooperação técnica” visando o tratamento de águas residuais de populações de localidades fronteiras de ambos os concelhos. O momento foi realizado junto à “nascente do Ourão”, na localidade de Barreiras, na freguesia da Redinha (Pombal), principal fonte de abastecimento de água à vila de Soure, tal como abasteceu, durante largos anos, parte do concelho de Pombal.
Para o presidente da Câmara de Soure, Mário Jorge Nunes, aquela cooperação dá “continuidade a práticas de boa gestão autárquica e de boa vizinhança que não são de hoje”. O autarca socialista enalteceu o facto de a “estratégia” ser a de “salvar a bacia hidrográfica do [rio] Anços”, até porque é “muito importante em termos de piscicultura, de meio ambiente, agrícola e de consumo de água”.
Mário Jorge Nunes deixou, contudo, um alerta: “devemos estar muito atentos à actividade económica que vai proliferando e que se mantém”, quer ao nível de “exploração de recursos naturais”, como pedreiras, saibreiras e caulinos, “que podem ser factores de contaminação dos aquíferos”. Mas também “as outras actividades industriais e agro-pecuárias”, disse, salientando que os dois municípios estão a dar o exemplo ao tratar as águas residuais “numa moderna ETAR que Pombal criou em Almagreira”.
Por sua vez, o autarca de Pombal, Diogo Mateus, optou por sublinhar a decisão da realização daquela cooperação intermunicipal, enaltecendo as “mais-valias” em termos “funcionais, técnicas, mas também financeiras”.
“Eu acho que o gestor moderno, o gestor público racional, deve procurar com abertura, fazer avaliações” e decidir em “consciência”, disse o autarca social-democrata, convicto que “esta é a melhor solução”.

Partilhar
Artigo anteriorMinistério responde em relação ao Externato Liceal
Próximo artigoBloco de Esquerda “trava” Câmara de apresentar projectos no Louriçal
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.