Maestro da Filarmónica Vermoilense morre em acidente de viação

0
32707

Morreu ao início da tarde desta quarta-feira, 21 de Junho, o maestro da Sociedade Filarmónica Vermoilense, Jaime Ferreira Pascoal, na sequência de um acidente de viação ocorrido na A23, próximo do nó de Mação, no distrito de Santarém.
“Perdemos o jovem e fantástico maestro que se dedicou de alma e coração à nossa banda e à escola de música”, disse ao nosso jornal o presidente da Junta de Freguesia de Vermoil, Ilídio Manuel da Mota, realçando, ainda, o facto de Jaime Pascoal ter “cativado toda a nossa juventude”, estando a comunidade “bastante consternada”.
A morte do maestro acontece num momento em que a Sociedade Filarmónica Vermoilense se preparava para viajar, na próxima semana, até à cidade de Laranjal Paulista, no Brasil, no âmbito do intercâmbio entre as duas bandas filarmónicas.
Na noite da passada sexta-feira, Jaime Pascoal foi um dos elementos do júri do evento “Crianças ao Palco” promovido pela Junta de Freguesia de Pombal. Rita Mendes, vogal da autarquia e que foi uma das apresentadoras daquele concurso infantil, refere que “custa acreditar e receber mais uma notícia trágica” e recorda “os sorrisos e palavras” que trocou com o maestro “num momento cheio de música”.
Natural de Pombal, e de 36 anos de idade, Jaime Ferreira Pascoal começou a estudar música aos nove anos na Filarmónica Artística Pombalense. Aos 18 foi estudar trombone para o Conservatório Regional de Coimbra na classe do professor Joaquim Raposo. Fez a licenciatura em música, variante trombone, na classe do professor Ismael Santos, na Escola Superior de Musica de Lisboa. Desde 2015 que é maestro da Filarmónica Vermoilense, na freguesia de Vermoil, concelho de Pombal, acumulando a direcção pedagógica da sua escola de música.
Jaime Pascoal participou como músico, desde as suas funções, em 2011, na Orquestra de Jazz de Leiria e no grupo Farratuga. Participou na gravação de dois CD’s da orquestra de sopros da Escola Superior de Música de Lisboa, em 2011 e 2013, para a editora Molenaar. Em 2013 tocou a solo, com a mesma orquestra, o concerto para trombone e orquestra de sopros T-bone do compositor Johan de Meij. Em Outubro de 2012 foi convidado a tocar com a Frysk Fanfare Orkest na sua digressão por Portugal, tendo feito concertos em Palmela, Seixal e Alhandra, sob a direcção do maestro Jouke Hoekstra.
Tem participado em gravações, em estúdio, desde 2012 com a orquestra The West European Studio Orchestra, WESO, para filmes como: A Rainha Njinga com música de Rodrigo Leão, Lisbon Theme e Ninjago Theme de Mik Kramer, The Flood e The Big Catch de Samuel Peeg, entre outros.
Desde 2011 que é professor da classe de trombones na escola Canto Firme, em Tomar, e na Ourearte, em Ourem, tendo em Outubro de 2015 ficado colocado no Conservatório Nacional de Coimbra, no polo da Sertã.

Partilhar
Artigo anteriorLeonardo Pinto foi o grande vencedor do “Crianças ao Palco”
Próximo artigoTAP promove espectáculo solidário
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.