Fraca qualidade dos serviços de telecomunicações revolta população

0
975

A poucos quilómetros da cidade de Pombal, habitantes de várias aldeias da freguesia de Pombal, e de outros pontos do concelho, queixam-se da qualidade dos serviços de telecomunicações, especialmente no que diz respeito aos serviços de internet.

Os serviços de telecomunicações são cada vez mais precisos nos tempos que correm, o acesso a uma internet com velocidades estáveis é um dos grandes requisitos da maior parte dos jovens, no entanto, em vários localidades da freguesia de Pombal são muitos os consumidores insatisfeitos com o serviço que lhes está a ser prestado pelas três maiores empresas fornecedoras deste tipo de serviços, a nível nacional (Vodafone, Meo e NOS).
“Pagamos exactamente o mesmo que todos os outros consumidores, e acabamos por não usufruir do serviço”, afirma João Silva. “Principalmente em dias de mau tempo, é impossível aceder à internet”, que apresenta velocidades “quase residuais”. Sendo que a velocidade de internet contratada por este jovem de 25 anos é de 12Mb, “num dia bom consigo atingir os três megas de velocidade”, o que “para abrir o mail ainda dá, mas se quiser aceder ao Youtube, por exemplo, um vídeo pode demorar horas a carregar”, fazendo o jovem “desistir, na maior parte das vezes”. Já para não falar da utilização que faz “devido à carreira profissional”. João Silva desempenha funções enquanto engenheiro “num empresa sediada em Leiria”, mas “por vezes chego a casa e preciso de trabalhar” e aí o caso “torna-se ainda pior”, porque se em lazer a paciência esgota, quando se fala de trabalho, “é muito grave falhar prazos por não ter uma ligação à internet que me permita aceder às plataformas necessárias”.
O caso já foi reportado “centenas de vezes” à companhia que fornece o serviço, mas até “agora nunca ninguém fez nada, nem se dignou a deslocar ao local para perceber as soluções que se poderiam arranjar”, João Silva já nem fala do “serviço de televisão, que em dias de chuva não funciona, simplesmente”, ou da rede de telemóvel, “que também deixa muito a desejar”. Se na Ranha, local onde vive João, a situação se está a torna “incomportável”, ali ao lado, perto do Travasso, a situação não é muito diferente.
Mariana Cruz, estudante de enfermagem, queixa-se da mesma situação: “este já é o terceiro ou quarto serviço que contratamos, e o problema persiste”, trocar ou não de “operadora é quase a mesma coisa”, trocam “os preços, trocam os equipamentos, mas o serviço é igualmente mau nas três principais operadoras”, farta de reclamar, a jovem afirma que “assim que o contracto permitir, vai cancelar o serviço” e procurar outras soluções. “Preciso de um serviço consistente, tenho muitos trabalhos para entregar na faculdade, e por vezes acabar por ficar a dormir em casa de colegas de turma para conseguir cumprir os prazos”.
Na região de Alitém o caso volta a repetir-se, com vários clientes, das diversas operadores também a queixarem-se do mesmo mal, “nos dias de tempestades rigorosas, e principalmente no Verão, que é a altura em que temos mais emigrantes, e que por sinal também precisam de usar o serviço”, a rede fica “totalmente inoperável”, só a partir das 02h00 da manhã, e que se volta a conseguir navegar na internet, “ainda que mal”. Os testes ao serviço feitos pelos clientes verificam que o serviço “contratado é totalmente díspar do serviço que nos chega às nossas casas”, os clientes “só têm o direito a pagar, mas as operadoras não têm o dever de prestar um serviço de qualidade”, é uma “vergonha”, confessa, Tiago Gomes, que 46 anos. O economista garante que “todos os meses fazemos reclamações junto da NOS, e mesmo assim nunca nos foi dada uma solução”. A situação “prevalece há quase dois anos”, altura que o morador de Albergaria dos Doze espera com ansiedade “para cancelar o contrato.
Contactadas pelo Pombal Jornal, as três maiores distribuidoras de serviços de telecomunicações nacionais não responderam atempadamente às informações solicitadas. Já Pedro Pimpão, presidente da Junta de Freguesia de Pombal, admite que “a melhoria da qualidade dos serviços de telecomunicações em vários lugares da freguesia tem sido uma preocupação manifestada por muitos residentes na nossa freguesia e que nós temos vindo a acompanhar de perto”, sendo que “dado o elevado número de reclamações, promovemos um levantamento para termos conhecimento do maior número de situações reportadas”, no seguimento destas diligências, o autarca garante que “entrámos em contacto com as empresas responsáveis pelos serviços de telecomunicações alertando para a resolução das soluções assinaladas e apelando à melhoria do serviço prestado em toda a área da Freguesia de Pombal”.
O governante esclarece que “entrámos em contacto com estas empresas no sentido de melhorarem a qualidade do serviço que as pessoas pagam e merecem ser bem servidas”, neste seguimento, Pedro Pimpão assume que “pelo que temos conhecimento, existem alguns lugares onde a qualidade do serviço tem melhorado e outros onde isso não acontece” e relembra “os efeitos da tempestade Leslie” que deixaram “algumas localidades privadas deste serviço ou, pelo menos, foram fortemente afectadas nesta área das telecomunicações”. A finalizar, o edil garante que “tudo faremos para que haja efectivo reforço dos serviços de telecomunicações em toda a freguesia”.

Notícia publicada na edição de 15 de Novembro