EM LUME BRANDO | O primeiro de muitos

0
1048

Se gosta da área da nutrição, esteja atento à nova rubrica “Em Lume Brando” no Pombal Jornal, a partir de Outubro, quinzenalmente, à sexta feira. Este será um espaço de reflexão sobre nutrição, com espírito crítico, com base na evidência científica, mas também com bom senso e ponderação. Os caríssimos leitores e leitoras terão também oportunidade de enviar sugestões de temas que gostariam de ser abordados pela nutricionista através do email joanagante@gmail.com.


Neste primeiro artigo farei uma abordagem geral sobre a alimentação como promotor de saúde e sobre algumas linhas gerais orientadoras do que é uma alimentação saudável. Nos próximos artigos será escolhido um tema pela autora ou pelo/a leitor/a, o qual será devidamente aprofundado. Boas leituras!
A alimentação tem um papel muito importante na promoção da saúde, bem como na prevenção da doença e quanto mais precocemente forem adotados hábitos alimentares saudáveis, tanto melhor, uma vez que ajudam a proteger contra a malnutrição (excesso de peso ou baixo peso), bem como contra as Doenças Crónicas Não Transmissíveis (DCNT), como a diabetes, doenças cardiovasculares e cancro.
Estes hábitos saudáveis deverão ter início desde a gravidez, continuando durante a amamentação, seguindo-se na diversificação alimentar, infância e juventude, de forma a prosseguirem ao longo da vida adulta. A aquisição de um estilo de vida saudável desde tenra idade reduz o risco de as crianças se tornarem adultos obesos ou com excesso de peso e de desenvolverem DCNT, para além de consolidarem estes hábitos saudáveis ao longo da vida adulta. Mas, afinal, que hábitos saudáveis são estes a que me refiro? Não há propriamente um segredo escondido para uma alimentação saudável, antes algumas linhas gerais que deverá seguir:
• Promover o consumo de produtos vegetais em detrimento do consumo de produtos alimentares de origem animal, nomeadamente de produtos hortícolas, frutas, cereais pouco refinados, leguminosas secas e frescas, frutos secos e oleaginosos;
• Aumentar o consumo de pescado e reduzir o de carnes vermelhas e de gorduras animais;
• Servir porções razoáveis no prato;
• Encorajar à ingestão de água como bebida de eleição;
• Limitar e/ou reduzir o consumo de sumos/refrigerantes;
• Limitar e/ou reduzir o consumo de açúcar refinado e gordura saturada;
• Reduzir o sedentarismo e aumentar a atividade física. Encoraje o seu filho a uma atividade física moderada a intensa durante a maior parte dos dias. Lembre-se que as crianças imitam os adultos, por isso, comece por iniciar uma atividade física, caso ainda não o faça, de forma a encorajar o seu filho nessa prática.
Assim, escola e famílias devem cooperar no sentido de uma educação para uma alimentação saudável, fazendo neste sentido o apelo a uma maior atenção e intervenção por parte dos pais relativamente à monitorização da oferta alimentar na escola (Como saber se a escola do seu filho é amiga da boa alimentação?), na escolha de lanches saudáveis enviados nas refeições intercalares, a incentivar as crianças a consumirem alimentos no interior das escolas, onde a oferta alimentar é mais equilibrada e controlada nutricionalmente, em continuarem a dar um bom exemplo à mesa em casa (é importante que todos, sem exceção, comam a sopa e os legumes lá em casa e não apenas as crianças, por exemplo).
Desta forma, a escola (desde a creche) tem um papel preponderante na passagem destes estilos de vida saudáveis, sem esquecer o papel que os pais e encarregados de educação têm na educação alimentar dos seus filhos, sendo de grande importância que o padrão alimentar a adotar seja saudável.
Para sugestões de temas ou comentários ao artigo, envie um email para o seguinte endereço: joanagante@gmail.com

Joana Gante
Nutricionista
CP 3640N
www.facebook.com/joanagante.nutricao/

Partilhar
Artigo anteriorCâmara reconhece ‘anomalia’, mas garante qualidade de água pública
Próximo artigoÉ mais “bolos”*
Joana Gante nasceu em Coimbra em 1984. Licenciou-se em Jornalismo pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em 2008, e em Dietética pela Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Leiria em 2016. Pós-graduou-se em Nutrição em Pediatria pela Universidade Católica de Lisboa em 2018. Tem feito diversas formações, nomeadamente em Nutrição avançada no Desporto; Alimentação Vegetariana; Alimentação na Pessoa Idosa, entre outras. Exerce funções enquanto Nutricionista na Associação Cultural Desportiva e de Solidariedade da Freguesia da Vinha da Rainha e em diversas clínicas.