EM LUME BRANDO | Afinal, qual é a melhor dieta?

0
271

Dieta low carb, cetogénica, low fat, jejum intermitente, paleo, são alguns nomes de dietas que já deve ter ouvido falar. Então, e qual será a melhor? A melhor dieta é aquela à qual consiga aderir e que promova défice calórico. Um resto de um bom dia e até daqui a quinze dias! Calma, ainda tenho de explicar o conceito de dieta, défice calórico e no final ainda tenho umas mensagens importantes para levar para casa.
Ora bem, vamos por partes. Devemos começar pelo início, procurando o significado de dieta. A infopédia diz-nos o seguinte:
1. regime alimentar que satisfaz as necessidades particulares de uma pessoa
2. regime especial de alimentação que restringe a ingestão de certos alimentos e/ou reduz a sua quantidade, com o objetivo de perder peso ou por razões de saúde
3. privação total ou parcial de certos alimentos por motivos religiosos; jejum
4. prato em que a comida é, em geral, pouco temperada, pobre em gorduras e em calorias e de digestão fácil
Vamos assumir aqui a dieta com o objetivo de levar à perda de peso ou emagrecimento, pois existem diversas dietas, com diversos objetivos, e um deles pode ser o aumento de peso, por exemplo.
A dieta é tida como uma das mais importantes influências na saúde e uma dieta pouco saudável figura entre as causas de morte prematura e doenças crónicas (doenças cardiovasculares, cancro, patologia respiratória crónica, diabetes mellitus, as doenças osteoarticulares e as perturbações da saúde mental, como a depressão). Por outro lado, uma alimentação saudável associa-se a um aumento da esperança média de vida e numa redução drástica do risco de vir a desenvolver doenças crónicas.
Então, e continua a impôr-se a questão inicial, de qual será a melhor dieta? Será aquela a que consiga aderir e manter-se o máximo de tempo possível, que não promova carências nutricionais, que promova bem-estar e concentração nas tarefas do dia-a-dia e à qual consiga criar défice calórico/ balanço energético negativo (gastar mais calorias do que as que ingere).
Uma composição corporal saudável vai para além do défice calórico e é muito importante ter em atenção a qualidade da nossa alimentação, a qual deverá ser rica em produtos vegetais, em detrimento do consumo de alimentos de origem animal, nomeadamente de produtos hortícolas, fruta, pão de qualidade e cereais pouco refinados, leguminosas secas e frescas, frutos secos e oleaginosos ( e agora estou a ir de encontro ao preconizado na Dieta Mediterrânica).
Uma dieta com redução nas calorias ingeridas resultará numa perda de peso significativa, independentemente do macronutriente (Hidratos de Carbono, Proteína ou Gordura) enfatizado.

Basicamente, uma perda de peso bem sucedida e num longo período ocorre quando se associa ao exercício físico, controlo da ingestão calórica, monitorização do peso e reduzida ingestão de grandes quantidades de gordura. Mas também é necessária uma mudança no comportamento alimentar. Há que criar uma relação saudável com a alimentação, evitar associar a comida como recompensa ou castigo, de forma a evitar compulsões alimentares, mas sobre este tema não me irei alongar, pois será falado num futuro artigo.
Para concretizar o objetivo de perder peso, deverá ser criado um balanço energético negativo, e tal será alcançado com qualquer dieta que:
• Seja composta pela ingestão reduzida de alimentos processados, pouco nutritivos e hipercalóricos;
• Tenha proteína em quantidade suficiente para prevenir a perda de massa magra e promova saciedade;
• Não crie défices em micronutrientes;
• Respeite os gostos e preferências individuais e os seus horários;
• Permite uma adesão a longo termo;
• Promova uma relação saudável com a comida.
Caso necessite de um/a Nutricionista, procure um Profissional da Nutrição reconhecido pela Ordem dos Nutricionistas.

Para sugestões de temas ou comentários ao artigo, envie um email para o seguinte endereço: joanagante@gmail.com

Joana Gante
Nutricionista
CP 3640N
https://www.facebook.com/joanagante.nutricao/
https://instagram.com/joanagante

Partilhar
Artigo anteriorOuro líquido: quando a tradição se alia à inovação tecnológica
Próximo artigoEdifício Alto do Vale alia tranquilidade, design e qualidade
Joana Gante nasceu em Coimbra em 1984. Licenciou-se em Jornalismo pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em 2008, e em Dietética pela Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Leiria em 2016. Pós-graduou-se em Nutrição em Pediatria pela Universidade Católica de Lisboa em 2018. Tem feito diversas formações, nomeadamente em Nutrição avançada no Desporto; Alimentação Vegetariana; Alimentação na Pessoa Idosa, entre outras. Exerce funções enquanto Nutricionista na Associação Cultural Desportiva e de Solidariedade da Freguesia da Vinha da Rainha e em diversas clínicas.