Câmara ‘deixa’ CGD devido ao fecho do balcão no Louriçal

0
1335

Protesto | Autarca garante que a decisão, contestada pela oposição, manter-se-á até que a posição do banco seja revertida

O presidente da Câmara de Pombal, Diogo Mateus, anunciou, ontem, que o município “deixará de trabalhar com a Caixa Geral de Depósitos” (CGD) até que a instituição reverta o anunciado encerramento do balcão na vila do Louriçal. A decisão foi subscrita pelos vereadores da maioria social-democrata, mas criticada pelos eleitos pelo movimento independente Narciso Mota Pombal Humano (NMPH) e Partido Socialista (PS).
Diogo Mateus, que falava no início da habitual reunião do executivo, lamentou que a instituição bancária não tenha “em alguma circunstância” informado ou ouvido a Câmara Municipal ou a Junta de Freguesia sobre o encerramento do respectivo balcão previsto para o final do mês. No seu entender, trata-se de “um banco totalmente público”, pelo que não vê qualquer outra razão, “a não ser a economicista”.
Segundo o autarca, o município “apresenta um saldo médio, nos últimos dois anos, de mais de sete milhões de euros”, pelo que “a partir de amanhã [hoje] deixará de trabalhar com a Caixa até ser revertida a situação”, adiantando que “ficarão apenas as operações estritamente legais”, sendo efectuadas “transferências de saldos para outras contas” tuteladas pelo município em outras instituições bancárias. “Vamos retribuir a Caixa Geral de Depósitos esta desconsideração para com o povo do concelho de Pombal”, disse, referindo que “se todos os municípios portugueses tivessem posições como estas, as entidades davam outra importância”.
A decisão do executivo PSD foi criticada por Narciso Mota, que presidiu à autarquia durante 20 anos. O actual vereador da oposição (NMPH) declarou-se solidário com a população da freguesia do Louriçal, mas discordou da “posição radical”, defendendo a solicitação de esclarecimentos à administração da Caixa.Uma consideração corroborada pelo seu companheiro de bancada, Michael Mota António.
Solidarizando-se com a população do Louriçal, também Odete Alves, vereadora do PS, disse crer que a decisão da instituição bancária “não terá sido leviana, mas sim ponderada” e que, com toda a certeza, pretende fazer um ajustamento às realidades actuais. “Não será conveniente, de todo, que o município tome posições populistas e até, de certo modo, precipitadas”, frisou. |

Partilhar
Artigo anteriorRENDALÍSSIMA | 10 dicas para que as suas peças durem mais tempo
Próximo artigoMinuto Beleza com Stéphanie João
Ingressou no jornalismo, em 1989, como colaborador no extinto “Pombal Oeste” que foi pioneiro na modernização tecnológica. Em 1992 foi convidado a integrar a redacção de “O Correio de Pombal”, onde permaneceu até 2001, quando suspendeu a profissão para ser Director de Comunicação e Marketing de um grupo empresarial de dimensão ibérica. Em 2005 regressou ao jornalismo, onde continua, até aos dias de hoje, a aprender. Ao longo destes (largos) anos de actividade, atestados pelo Carteira Profissional obtida em 1996, passou por vários jornais, uns de âmbito regional e outros nacional, onde se inclui o “Jornal de Notícias” e “Público”. Foi convidado a colaborar, de forma regular, com o “Pombal Jornal” onde se produz conteúdos das pessoas para as pessoas.