Bosque do Paraíso: os Kiwis de Pombal que querem conquistar Portugal

0
5136

A produção de kiwi tem vindo a aumentar em Portugal. De origem asiática, esta fruta introduziu-se na Europa há relativamente pouco tempo (1903) onde começou a ganhar expressão apenas em 1970. Em Pombal a produção deste fruto acompanha a tendência nacional, e há até quem já tenha começado a produção de novos produtos com este sabor, como doces e marmeladas. Mas esperam-se mais novidades em breve.

Hermínio Lopes Rodrigues iniciou a produção de kiwis em 2013

Em Portugal, podemos encontrar esta cultura em crescimento constante devido às condições ideais para a sua produção, ao longo de toda a costa no Norte e Centro do país com uma impressionante produção de kiwi de mais de 30 mil toneladas em apenas cerca de 3000 hectares, com crescimentos todos os anos graças às novas explorações.
Em Pombal, a produção de kiwi tem acompanhado o crescimento nacional, e são cada vez mais os que investem no cultivo e produção deste fruto de polpa verde. Hermínio Lopes Rodrigues iniciou-se na aventura da produção de Kiwis em 2013: “na altura foi um amigo que me falou sobre a tendência cresceste da produção destes frutos, e como já gostava da área da agricultura resolvi pesquisar mais e investir neste sector”, conta.
As burocracias, a falta de apoios e “o facto de as legislações mudarem praticamente todos os dias”, quase deitaram por ‘água’ a ideia, no entanto o empresário revela que “é preciso estar muito bem informado e saber os passos a dar, caso contrário é muito difícil”, porque “temos de esperar meses por autorizações, e esperar mais um tempo pela resposta das várias entidades, e depois esperar para que seja tudo aprovado”, no seu caso “o processo foi relativamente facilitado porque já sabia os procedimentos que deveria ter em conta, mas para os jovens que decidem apostar nesta área, é muito complicado, principalmente se envolver apoios comunitários”.
Para reduzir os encargos, os tempos de espera, e as incertezas quanto às aprovações necessárias para a implementação de um projecto desta envergadura, Hermínio Rodrigues não tem dúvidas e adianta que a “solução passaria pela implementação de um balcão único, especializado nestas temáticas, e que conseguisse dar resposta a todas as burocracias que nos são impostas”, no fundo, “um único serviço que fosse capaz de aglomerar as várias entidades e que permitisse encurtar os tempos de espera e agilizar os processos”. Até porque, “acredito que exista muita gente que acaba por desistir dos seus projectos pela carga burocrática que isto implica”.
No entanto, a legislação exigente e apertada não o demoveu de criar o seu pomar de kiwis, com apresenta uma extensão de “cerca de 10 hectares”. Os “primeiros anos são muito complicados, porque só começa a haver produção a partir do terceiro ano”, ou seja, “nos primeiros anos só investimos e não vemos qualquer retorno, o que se torna um pouco desmotivante”, mas “quando começa a produzir, é uma sensação muito boa, e muito gratificante”, até porque “dedico muito do meu tempo ao pomar: gosto de ver as plantas bem tratadas e a fruta a crescer”.
Para esta colheita, o empresário espera “colher entre oito a dez toneladas de kiwis, por hectare”, mas “a partir do quinto ano de produção podemos atingir 20 toneladas por hectare”. O pombalense, também ligado à construção civil, escoa todo o seu produto à Kiwicoop, uma organização de produtores (OP), reconhecida pela União Europeia, que nasceu do empreendedorismo e paixão comum de um grupo de kiwicultores da região centro de Portugal. Mas havia um “pequeno problema”: as frutas de calibre menor não podiam ser escoadas para o mercado, no primeiro ano decidiu doar esse excedente às várias organizações de serviço social do concelho, mas ainda assim decidiu experimentar dar uma nova vida à sua fruta e experimentou confeccionar um doce de kiwi.
“Uma senhora que costuma colaborar connosco pediu-me uma caixa de kiwis para experimentar a fazer uns potes de doce, quando provámos percebemos que era um produto com muito potencial e decidi começar a pesquisar, a estudar e a aperfeiçoar a receita”, actualmente tem um volume de produção que ronda os 20 mil frascos, mas que ainda pode ser aumentado.
Depois do sucesso com o doce de kiwi, que não deixa ninguém indiferente, surgiu a ideia de confeccionar uma marmelada, um produto que a “Bosque do Paraíso” apresentou na última edição das festas do Bodo, que se realizaram em Pombal entre 26 e 31 de Julho.
“As pessoas quando vêem o doce de kiwi acham que vai ser muito ácido, mas a verdade é que quando provam ficam surpreendidas com o sabor doce”, e isto tem a ver com “as condições óptimas que o país apresentas, pela qualidade dos terrenos, da água e do clima, que permitem que a fruta tenha um sabor muito mais gostoso”.

“Os nossos doces são totalmente naturais, e sem qualquer químico ou conservante, e é isso que os torna tão especiais”

“Os nossos doces são totalmente naturais, e sem qualquer químico ou conservante, e é isso que os torna tão especiais”, e até “poderia dizer que é biológico, mas não creio que exista algum produto totalmente biológico, preferimos o termo ‘natural’. O produto pode ser encontrado em várias superfícies comerciais do concelho, e nas feiras mais tradicionais, um pouco por todo o país, afinal o lema da marca é “Kiwi de Pombal, a conquistar Portugal”.
A pensar em novas formas de utilizar o produto, o mentor da marca “Bosque do Paraíso” já anda em “testes para um licor de kiwi”, e anda a pensar na hipótese de criar um doce sem qualquer adição de açúcar, que pode ser uma “mais-valia para as pessoas que sofrem de problemas relacionados com a diabetes”, afinal o Kiwi é uma fruta que apresenta inúmeras propriedades benéficas à saúde. E retama “sabia que um único kiwi tem tanta vitamina C quanto a presente em três laranjas, que reduz substancialmente os sintomas de prisão de ventre, e que contém substâncias como a serotonina, que tem um efeito calmante sobre a actividade cerebral?”.

BENEFÍCIOS DO CONSUMO
O kiwi é reconhecido como um dos 10 melhores alimentos do mundo. O alto teor nutritivo do fruto, leva a que o consumo diário faça o consumidor sentir-se mais saudável, mais jovem, com mais energia e mais feliz. A Kiwicoop, organização de produtores, reconhecida pela União Europeia, fala dos benefícios:
ANTI-STRESS NATURAL
O kiwi contém substâncias como a serotonina, que tem um efeito calmante sobre a actividade cerebral.
CONTROLO DO COLESTEROL
Rico em magnésio, o kiwi também ajuda a prevenir doenças cardiovasculares, enfarte do miocárdio e pressão arterial demasiada elevada. Tem efeitos muito benéficos para a tensão arterial;
MASCULINIDADE
O kiwi tem uma quantidade importante de arginina, activa a circulação nas zonas necessárias e é utilizado no tratamento de sintomas de impotência;
GRÁVIDAS DEVEM CONSUMIR KIWI
É uma boa fonte de ácido fólico, que ajuda a garantir uma gravidez saudável e o normal desenvolvimento cerebral e cognitivo do bebé;
REFORÇA A IMUNIDADE
Rico em alto teor de vitamina C, o kiwi ajuda a estimular o sistema imunológico;
ADEQUADO PARA DIABÉTICOS
Com um baixo índice glicémico, faz com que o nível de açúcar no sangue se mantenha mais reduzido, não elevando a produção de insulina no pâncreas;
AJUDA A MANTER A LINHA
O baixo índice glicémico e a fibra do kiwi evitam que o organismo recorra à insulina impedindo que a gordura seja armazenada no corpo;
AJUDA A REGULAR O INTESTINO
Um a dois kiwis por dia ajudam a regular a fibra intestinal, e facilita a libertação de toxinas do tracto intestinal.